“Para que soja, se temos peixe” – Tião Viana aposta na diversidade da produção agrícola

O Governador Tião Viana anunciou investimentos da ordem de 17 milhões de reais para a agricultura familiar nos três municípios: Cruzeiro do Sul, Rodrigues Alves e Mâncio Lima.

Os investimentos refletem uma aposta na diversificação da produção rural e contemplam as cadeias produtivas da fruticultura e horticultura, piscicultura e meliponicultura (mel de abelhas sem ferrão), além de iniciar a implantação da suinocultura na região, a partir de Mâncio Lima além de fomentar a mecanização agrícola e extensão indígena.

As ações serrão realizadas através da SEAPROF (Secretaria de Agricultura e Produção Familiar) beneficiando 2.557 famílias na região.

O anúncio acontece em um momento em que estados maiores e mais ricos do país estão com dificuldades em cumprir com sua folha de pagamento, como é o caso do Rio de Janeiro, onde servidores não receberam o décimo-terceiro e somente agora estão recebendo o salário de abril.

Plantar para Resistir

Dep. Federal Moisés Diniz (PCdoB) “Querem tirar o nosso direito ao amanhã”

Entre os parlamentares da bancada federal acreana, foi muito forte a tônica de que é preciso resistir à política de desmonte dos direitos e de fragilização da agricultura familiar do governo Temer. Moisés Diniz, do PCdoB foi enfático ao afirmar que a capacidade de resistir nasce no campo, com o alimento produzido pelas mãos de trabalhadores e trabalhadoras rurais. Moisés referiu-se diretamente à proposta do governo de reforma previdenciária, que irá dificultar o acesso dos agricultores familiares à aposentadoria.

“Querem tirar o nosso direito ao amanhã”, disse.

Cadê o dinheiro para os ramais? Governo federal reduziu de 154 para 80 milhões da bancada federal para recuperação de ramais. Dinheiro talvez não seja liberado ainda este ano.

Léo de Brito, do PT falou sobre a extinção do Ministério do Desenvolvimento Agrário, que dificulta o acesso dos pequenos agricultores às políticas públicas e também condenou a proposta que autoriza o pagamento com alimento e moradia, o que na prática, legaliza a escravidão no campo. Léo afirmou ainda que a bancada acreana havia assegurado 154 milhões para a recuperação de ramais, mas que o governo cortou para 80 milhões “e este recurso até o momento não apareceu.”, declarou.

Dep. Estadual Daniel Zen (PT): Agricultura familiar é responsável por 70% do alimento consumido pelo brasileiro.

O deputado estadual Daniel Zen (PT) afirmou a importância da agricultura familiar, responsável por cerca de 70% da produção do alimento consumido na mesa do brasileiro. “A grande produção é para exportação. E importante para a economia. Mas é a pequena produção que gira no mercado local e alimenta a população”.

Carla Brito, do programa ‘Quero Paz’: “combate à desigualdade social deve ser feito com investimentos em quem está na ponta da produção”

 

Suinocultura

A maior novidade foi o início da implantação da suinocultura em escala industrial em Mâncio Lima. Segundo o secretário da SEAPROF, Thaumaturgo Neto, a intenção é que a produção de Mâncio Lima esteja integrada as unidades produtivas do vale do Acre, onde já se produz em escala comercial.

Fábrica de Fécula   

Tião Viana mencionou a possibilidade de implantar uma fábrica processamento de fécula de mandioca (goma processada), aproveitado a alta produtividade da mandioca na região.

Segundo o governador, a economia da mandioca representa 325 milhões de reais/ano para o estado e é uma das mais importantes do país. Com uma fábrica desse porte, a expectativa seria ampliar esta economia para até 1 bilhão de reais ano. O mercado mundial para fécula é grande: ela é utilizada desde condimentos industrializados como catchup, até para engomar roupas na indústria do vestuário. O custo é estimado em cerca de 30 milhões de reais, com a capacidade de gerar até 20 milhões de reais ano.

Confiança na capacidade de produção do trabalhadores rurais

Para o governador, o investimento de mais de 17 milhões de reais em um momento em que outros estado passam por dificuldades traduz o significado de uma confiança na classe trabalhadora rural como geradora da riqueza na mesa das cidades gera.

O diferencial, contudo, parece ser a aposta na diversificação da economia e nas vocações históricas de produção: peixe, frutas diversas, mandioca, mel e suínos para movimentar a economia, ao invés da aposta na monocultura, como da soja por exemplo – ‘commoditie’ que é um dos maiores itens de exportação nacional.

Mais diversidade, menos monocultura. 

Tião Viana, sobre a soja: “Melhor trabalhar com produtos que sejam da nossa vocação do que colocar uma gramínea que não chega a gerar metade do que geram outros produtos no estado.”

Perguntado sobre a possibilidade de se investir na produção da soja no Acre, Tião Viana demonstra cautela:

“Nosso ZEE (Zoneamento Ecológico Econômico) diz que cabe o espaço para a soja no estado. Cabe, mas temos que ter cuidado. No Acre chove muito. Soja não gosta de chuva. O próprio governo do estado do Mato Grosso apresentou um estudo dizendo que o peixe dá mais rentabilidade que a soja. Agora, imagine: se na terra da soja dizem isso, imagina aqui que é o mundo das águas, ideal para a piscicultura? Melhor trabalhar com produtos que sejam da nossa vocação do que colocar uma gramínea que não chega a gerar metade do que geram outros produtos no estado.”

Veja como ficam os investimentos em cada município

Mâncio Lima

O plano agrícola de Mâncio Lima reúne um investimento de R$ 7.140.831,078, recursos para promover as cadeias produtivas do mel, suinocultura, piscicultura, açaí, fruticultura, horticultura, bem como a mecanização agrícola e extensão indígena, contemplando 1.022 famílias.

Ao todo, 40 produtores e 27 entidades compõem a gama de beneficiários, do município, no PAA.

O recurso garante ainda a conclusão do Plano de Desenvolvimento Comunitário (PDC) na comunidade Bom Sossego, assegurando a aquisição de dois barcos e dois motores, por meio do Programa de Inclusão Social e Desenvolvimento Econômico Sustentável do Acre (Proacre).

Cruzeiro do Sul

Já em Cruzeiro do Sul, o investimento é de R$1.782.500,56, que será utilizado no fomento das cadeias produtivas do mel, piscicultura, açaí, fruticultura e borracha, bem como na oferta de mecanização agrícola e extensão indígena, beneficiando 872 famílias de produtores rurais.

Ao todo, 160 produtores e 36 entidades compõem a gama de beneficiários, do município, no PAA.

Rodrigues Alves

O Plano Agrícola de Rodrigues Alves reúne o montante de R$ 3.240.095,25. O recurso vai fortalecer as cadeias produtivas do mel, açaí, piscicultura, fruticultura e horticultura, e ampliar a oferta de mecanização agrícola, beneficiando 663 famílias de agricultores.

Ao todo, 20 produtores e 20 entidades rurais compõem a gama de beneficiários, do município, no PAA.

Com Informações da Assessoria

Share Button

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *