Rio Branco, Acre, 28 de outubro de 2020

Impeachment é liderado por acusados de corrupção, diz “New York Times”

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

O principal jornal dos EUA deu destaque ao processo de impeachment contra Dilma Roussef, citando alguns dos casos mais escabrosos de corrupção no congresso e afirma: ‘é um caso raro onde não há acusações de roubo contra um político’.

 

Leia a tradução da matéria:

Paulo Maluf, um congressista brasileiro, é tão mal lembrado por seus próprios escândalos que seus eleitores muitas vezes descrevê-lo com o slogan “Rouba mas Faz.”

Mas, como uma série de outros membros atormentado por escândalos do Congresso do Brasil, o Sr. Maluf diz que está tão farto de toda a corrupção no país que apoia derrubar a presidente Dilma Rousseff.

“Eu sou contra toda a negociata duvidosa este governo faz”, disse o Sr. Maluf, 84, um ex-prefeito de São Paulo, que enfrenta acusações dos Estados Unidos de que ele roubou mais de US $ 11,6 milhões em um esquema de propina.

A unidade para o impeachment de Dilma está ganhando força. A votação crucial para enviar seu caso ao Senado para um possível julgamento está prevista para este fim de semana, e vários dos partidos políticos em sua coalizão de governo a abandonaram esta semana, deixando-a especialmente vulnerável.

Mas alguns dos legisladores que Dilma estão enfrentando graves acusações de corrupção, fraude eleitoral e abusos dos direitos humanos, trazendo à tona um debate nacional sobre a hipocrisia entre os líderes do Brasil.

“Dilma pode ter cavado sua própria sepultura por não entregar o que prometeu, mas ela é viciada em uma esfera política manchada com excrementos de cima para baixo”, disse Mario Sergio Conti, colunista da Folha de S. Paulo. “Ela não roubou, mas uma gangue de ladrões está julgando ela.” Dilma está profundamente ressentida no Brasil, tendo presidido a pior crise econômica em décadas, um enorme escândalo de corrupção envolvendo a empresa nacional de petróleo e a queda de milhões de brasileiros da classe média para a pobreza.

No caso de impeachment, ela não está enfrentando acusações de corrupção. Em vez disso, ela é acusada de usar o dinheiro de bancos públicos gigantes para cobrir lacunas de orçamento, prejudicando a credibilidade econômica do Brasil.

Dilma, então, é algo de uma raridade entre as principais figuras políticas do Brasil: Ela não foi acusada de roubar para si mesma.

Eduardo Cunha, o poderoso presidente da Câmara que está conduzindo o esforço de impeachment, vai a julgamento na mais alta corte do país, o Supremo Tribunal Federal, sob a acusação de que ele embolsou tanto quanto $ 40 milhões em subornos. O Sr. Cunha, um comentarista de rádio cristã evangélica e economista que emite regularmente mensagens no Twitter citando a Bíblia, é acusado de lavagem de ganhos através de um mega roubo  evangélico.

O vice-presidente Michel Temer, que é esperado para assumir se Dilma é forçado a se afastar, foi acusado de envolvimento em um esquema ilegal de compra de etanol.

Renan Calheiros, o líder do Senado, que também está na cadeia de sucessão presidencial, está sob investigação sobre alegações de que ele recebeu suborno no escândalo gigante em torno da companhia nacional de petróleo, a Petrobras. Ele também foi acusado de evasão fiscal e de permitir que um lobista pague pensão alimentícia para uma filha de um caso extraconjugal.

No total, 60 por cento dos 594 membros do Congresso do Brasil enfrentam acusações graves, como suborno, fraude eleitoral, o desmatamento ilegal, sequestro e homicídio, de acordo com a Transparência Brasil, um grupo de monitoramento de corrupção.

A questão tornou-se mesmo uma parte da estratégia de defesa do presidente. Em particular, Dilma e seus apoiadores têm argumentado, como pode o processo de impeachment ser dirigido por alguém que vai a julgamento por si mesmo a corrupção?

Na quinta-feira, José Eduardo Cardozo, o advogado-geral, disse que seu escritório tinha apelado ao Supremo Tribunal Federal em uma tentativa de bloquear o processo de impeachment.

Ele disse que o esforço para expulsar Rousseff tornou-se tão vasto que era “um verdadeiro processo kafkiano em que o réu não pode descobrir com certeza o que ela está sendo acusado de ou porque”.

Em uma sessão que foi passou da meia-noite às primeiras horas da sexta-feira, a maioria dos juízes no alto tribunal rejeitou o pedido do governo Dilma para anular voto impeachment deste fim de semana.

Ninguém pode negar que Dilma é muito impopular em todo o país, que se reflete em seus índices de aprovação de quase um dígito, acusações de suborno e propinas dentro do seu partido dos trabalhadores e os protestos de rua regulares exigindo sua deposição.

Mesmo assim, alguns brasileiros argumentam que a convulsão do impeachment tem menos a ver com a luta contra a corrupção do que com um esforço para transferir o poder pelos legisladores com os próprios registros questionáveis.

Os oponentes de Dilma no Congresso incluem Éder Mauro, que está enfrentando acusações de tortura e extorsão de sua passagem anterior como um policial em Belém, na Amazônia.

Outro congressista com o objetivo de impeachment Dilma: Beto Mansur, que é acusado de manter 46 trabalhadores em suas fazendas de soja no Estado de Goiás em condições tão deploráveis em que os investigadores afirmam que os trabalhadores foram tratados como escravos modernos.

Quase diariamente, os promotores revelam denúncias envolvendo aliados e adversários de Dilma no Congresso, dizendo que embolsou subornos no esquema colossal em torno de empresas de energia controladas pelo governo.

Fotografia circularam neste mês de prostitutas operando em uma ala do Congresso reservados para as deliberações da comissão, lembrando brasileiros da atmosfera de circo da instituição nos dias de hoje.

Luis Almagro, secretário-geral da Organização dos Estados Americanos, criticou o processo de impeachment, dizendo que as acusações contra Dilma “não são crimes, mas eles estão relacionados com a má administração.”

Maluf, ex-prefeito que apoia a remoção do presidente, passou semanas na cadeia há uma década sob a acusação de lavagem de dinheiro e evasão fiscal.

Mas ele foi libertado sob uma lei permitindo que as pessoas com idade superior a 70 enfrentem tais acusações em casa. Então o Sr. Maluf ganhou um assento no Congresso, dando-lhe a posição judicial privilegiada que mantém quase todos os altos cargos políticos brasileiros com tais privilégios fora da cadeia.

Apesar das alegações do Sr. Maluf nos últimos dias de que ele possa viajar para fora do Brasil sem ser preso, ele continua a ser procurado pela Interpol no caso contra ele nos Estados Unidos, de acordo com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos. A França também tem um mandado pendente para a sua prisão em um caso separado envolvendo lavagem de dinheiro organizado.

Estudiosos observam as proteções legais apreciadas por cerca de 700 altos funcionários, incluindo ministros e todos os membros do Congresso. Somente o Supremo Tribunal Federal pode experimentá-los, produzindo anos de apelos e atrasos.

“Ganhar a eleição para o Congresso é uma licença para roubar para determinadas figuras”, disse Sylvio Costa, o fundador do Congresso em Foco, um grupo de vigilância que monitora a corrupção no legislativo. “Neste sistema grotesco, os maiores ladrões são aqueles que detêm o maior poder.”

Reivindicações de crimes entre outros legisladores não se incomodam alguns dos políticos que querem Dilma cassada. Roberto Jefferson, ex-legislador que foi para a prisão depois de sua condenação por seu papel em um esquema de compra de votos, disse que o talento do Sr. Cunha de política traiçoeira serviu como uma vantagem estratégica.

“O bandido para quem estou torcendo mais é Eduardo Cunha”, disse Jefferson.

Um proeminente defensor de Dilma é Fernando Collor de Mello, o ex-presidente que renunciou em desgraça em 1992 sobre um escândalo de tráfico de influência. Ele ressuscitou sua carreira política como senador, apenas para enfrentar acusações agora de aceitar subornos no esquema em torno da companhia nacional de petróleo.

O pai do Sr. Collor, Arnon de Mello, teve um precedente depois de matar um colega senador no Senado em 1963. Arnon de Mello conseguiu evitar a prisão depois que um tribunal decidiu que o episódio foi um acidente – porque ele estava mirando em outro senador .

Como as chamas ao longo do impeachment, alguns citam o exemplo de Ivo Cassol, um senador da Amazônia. Ele foi condenado a mais de quatro anos de prisão em 2013 pelo Supremo Tribunal Federal por acusações de corrupção relacionadas com contratos concedidos mais de 15 anos atrás. (Sr. Cassol considera-se inocente no caso, afirmou um porta-voz.)

Apesar da decisão, o Sr. Cassol permanece no Senado, mantendo a decisão da suprema corte na baía com recursos. Ele agora está entregando alguns dos discursos mais apaixonadas em favor do impeachment de Dilma, chamando-a de governo “vergonhoso”.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.