Rio Branco, Acre, 26 de outubro de 2020

A República de Temer

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Uma análise bastante comum entre historiadores sobre a proclamação da república é a de que não houve participação popular.

Nesse sentido, o quadro de Benedito Calixto traz um registro importante, não tanto pelo que retrata, mas pela ausência que revela.

O historiador José Murilo de Carvalho refere-se a esta ausência do povo como o ‘pecado original’ da República. Dele originam-se todos os outros.

Ali estão os militares e fazendeiros cafeicultores, estes últimos, particularmente decepcionados com o Império que havia acabado com a escravidão, havia pouco mais de um ano.

Quem está na foto na República de Temer?

Eduardo Cunha, e seu congresso-circo, as oligarquias das poucas famílias que comandam a imprensa nacional, a FIESP e seu pato, os ruralistas e suas mãos sujas de sangue indígena, os teocratas fariseus, os neo-fascistas.

Mas, e o povo? Afinal o povo nas ruas teve um papel primordial para forçar a votação favorável ao impeachmeant no congresso. O povo fará parte desta República de Temer?

Ou repetirá as palavras de Cazuza quando cantou “Não me convidaram para esta festa pobre que os homens armaram para me convencer”.

Segundo a pesquisa IBOPE, Temer possui pífios 8% de preferência do eleitorado enquanto 62% dos entrevistados pedem novas eleições. Definitivamente, o povo não está na foto.

Assim como na República proclamada por Deodoro, a Nova Velha República de Temer também não precisa do povo para existir.

TemerOs fundadores da República de Temer estão certos de que havendo legalidade, a legitimidade é supérflua.

Já empalidece o verde amarelo do “povo nas ruas”, desconvidado a participar da patriótica cruzada contra a corrupção.

Talvez por isso, o super-herói da vez, Sergio Moro tenha subitamente, desaparecido das manchetes. Talvez, quem sabe, a Lava Jato continue acontecendo, mas agora sem os holofotes da imprensa, como sabê-lo?

Sem os vazamentos seletivos, as delações premiadas, as citações comprometedoras, as propinas e doações de campanha passam a fazer parte de outro jogo, outro tabuleiro, onde jogarão agora PMDB e PSDB, como peças de barganha interna.

Um cargo, um ministério, a aprovação de uma lei, o esquecimento/arquivamento de um processo contra um adversário ou aliado.

Temer, o ‘capitão do golpe’ nas palavras de Ciro Gomes, por seu turno, provoca as mais incontidas gargalhadas ao referir-se agora ele, como ‘golpe’ a iniciativa que começa a ganhar corpo no senado, da convocação de novas eleições.

Cunha, o ungido, aquele das contas no exterior e da lavagem de dinheiro ilegal de campanha através de uma igreja, tem tudo para ser inocentado no conselho de ética, mas pode vir também a ser sacrificado, caso a República de Temer assim julgue necessário. Há muito mais a ser protegido. A lista da Odebreacht vai longe e certamente, não existe honra entre ladrões.

Bordões como “Fora e PT” e “Pelo fim da corrupção” darão vez a outros: “Tudo pela Governabilidade”, “União pelo Brasil”, “Tirar o Pais da Crise” e etc.

O espetáculo, senhores, não terminou, apenas as cortinas foram cerradas para disputas que agora serão travadas nos bastidores.

O povo nas ruas?

Não precisam mais. Podem se sentar em suas poltronas confortáveis e voltar a assistir seus seriados de TV favoritos.

Leandro Altheman

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.