Rio Branco, Acre, 22 de setembro de 2020

Sobre a cultura do estupro

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Leandro Altheman – Opinião

O estupro coletivo de uma adolescente no Rio de Janeiro popularizou o uso da expressão ‘cultura do estupro’. Aparentemente, na minha Time Line, muita gente teve contato com o termo pela primeira vez, e a julgar pelas postagens, de homens e de mulheres, há muita incompreensão do significado e consequentemente uma rejeição ao uso da expressão ‘cultura’ associado ao ato violento do estupro.

A expressão refere-se a um conjunto de normas e crenças que resultam na banalização do ato do estupro, ou ainda, mais frequentemente, a culpabilização da vítima pela violência sofrida.

São as ‘tradicionais’ (e portanto, sim, culturais) ‘explicações’ ou ‘justificativas’: ela usava roupas curtas demais, ela provocou, ela queria, e etc…

O termo  cultura do estupro foi cunhado pelo movimento feminista ainda na década de 70 aplicada à cultura dos EUA como um todo.  Posteriormente foi identificada pela sociologia, antropologia e psicologia. Parte integrante dessa ‘cultura’ estaria a transformação da mulher em objeto.

Contudo, o tema é controverso e também há críticos desta concepção.

Caroline Kitchens, pesquisadora do American Researsh Institute, por exemplo, rejeita a ideia de que a responsabilidade do estupro seja de uma ‘cultura’ e não de indivíduos. E argumenta:

“Temos leis rigorosas que os americanos querem ver aplicadas. Embora o estupro seja certamente um problema sério, não há nenhuma evidência de que ele é considerado uma norma cultural. Século XXI América não tem uma cultura de estupro; o que temos é um átrio fora de controle, levando o público e os nossos líderes educacionais e políticas para o caminho errado.”

Ainda em seu texto ‘Its time to end rape-culture hysteria’, Caroline sugere que a concepção de uma cultura do estupro esteja levando o país a uma espécie de ‘histeria‘ , em que músicas, peças de teatro e até mesmo esculturas, são classificadas como ‘cultura do estupro’, com isso, perdem espaços públicos e chegam a ser censuradas.

Pode ser que de fato, alguns exageros estejam sendo cometidos nos EUA em nome de se combater a ‘cultura do estupro’. Aqui nessas plagas latinas, pode-se perceber que existe sim, uma cultura muito forte de objetificação da mulher e que a ideia de se culpar a vítima pela violência sofrida, ainda é um argumento muito comum. Não por acaso foram criadas as delegacias especializadas nos crimes contra a mulher, já que muitas vítimas, após terem sofrido ainda tinham (e às vezes ainda tem), de lidar com preconceito e machismo de delegados mau preparados.

Há duas imagens que ilustram bem a ideia de ‘cultura do estupro’. A primeira delas, do desenhista Milo Manara, em que retrata o estupro, e o sentido de posse, intimamente ligado ao primado da violência.

Historia da humanidade em uma imagem

A segunda, uma campanha da Dulce & Gabana, que não remete a outra coisa senão a um estupro. Uma campanha publicitária como esta é praticamente uma prova física de que não apenas existe uma cultura do estupro, fundamentada nos aspectos mais atávicos da humanidade, mas como se renova através da comunicação de massas.

Homem, branco, e heterossexual, certamente não é a minha opinião a que mais importa para dizer se há, ou se não há uma cultura do estupro. Como tal, não gostaria de que uma histeria, como a descrita por Caroline, viesse a pautar as relações entre homens e mulheres. Tampouco desejo que a impunidade continue a limitar a liberdade das mulheres sobre seus próprios corpos e suas relações.

Mas é sempre bom ouvir o que ELAS tem a dizer sobre o assunto.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.