Rio Branco, Acre, 3 de dezembro de 2020

Economistas projetam inflação maior este ano

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Economistas e instituições financeiras ouvidos pelo Banco Central projetam queda menor do PIB (Produto Interno Bruto) neste ano, mas preveem inflação maior para 2016, segundo dados divulgados nesta segunda-feira (6).

O Boletim Focus, pesquisa semanal do BC, indica que a atividade econômica vai recuar 3,71% em 2016. A estimativa anterior era de queda de 3,81% e, há quatro semanas, de contração de 3,86%.

Para 2017, a estimativa de crescimento passou de 0,55% na semana passada para 0,85% nesta.

Na quarta-feira passada o anúncio de queda de 0,3% do PIB no primeiro trimestre, que foi recebido com surpresa por economistas. O mercado esperava uma retração em torno de 0,8% no período.

Há mudanças no cenário presente capazes de atenuar os prognósticos sombrios para o restante do ano.

O afastamento da presidente Dilma Rousseff e as mudanças na equipe econômica foram celebrados por empresários e investidores, mas permanece incerta a viabilidade do programa de controle dos gastos públicos apresentado pelo governo Michel Temer, que nem sequer foi detalhado e formalizado. A sustentação política do governo interino também é ameaçada pela Operação Lava Jato.

 

PREÇOS

O boletim voltou a mostrar inflação pressionada neste ano. O IPCA, índice oficial de preços, deve encerrar 2016 a 7,12%, contra estimativa de 7,06% na semana passada. Há quatro semanas, a previsão era de 7%.

A perspectiva para a inflação em 2017 foi mantida em 5,50%. O percentual fica abaixo da meta estabelecida pelo CMN (Conselho Monetário Nacional) para 2017, que é de 4,5% com 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

 

DÓLAR

A pesquisa elevou a projeção para o dólar no final deste ano, de R$ 3,65 para R$ 3,68. Para 2017, a estimativa se manteve em R$ 3,85.

No que foi visto como um sinal de que a recuperação econômica nos EUA ainda é débil, o governo americano divulgou alta de apenas 38 mil empregos em maio, a menor em cinco anos.

A avaliação de que isso levará o Fed (banco central dos EUA) a postergar um aumento de juros animou o mercado financeiro no Brasil.

 

JUROS

A previsão da taxa básica de juros (Selic) permaneceu estável para 2016 e 2017. Espera-se que a Selic esteja em 12,88% no final deste ano e em 11,25% no próximo.

Nesta quarta-feira (8) a diretoria do Banco Central se reúne para definir a taxa básica de juros. A reunião do Copom não será presidida pelo indicado à chefia do BC Ilan Goldfajn, que ainda precisa passar por sabatina no Senado, prevista para esta terça-feira (7).

 

Com informações da Folhapress.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.