Rio Branco, Acre, 27 de setembro de 2020

EI queima 19 meninas que recusaram ser escravas sexuais

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

O Estado Islâmico (EI) executou 19 meninas pertencentes à minoria étnica yazidi depois que as vítimas se recusaram a ter relações sexuais com jihadistas. Segundo a imprensa local, elas foram presas numa gaiola de ferro e queimadas vivas em praça pública, na cidade de Mossul, no Iraque.

Estimativas apontam que 3 mil meninas desse grupo étnico tenham se tornado escravas sexuais dos terroristas. Cerca de 40 mil pessoas fugiram da região após a invasão do EI. A maioria da população foi deslocada para campos de refugiados no Curdistão.A organização não-governamental Human Rights Watch classificou o assassinato em massa dos yazidi como genocídio.

“Os abusos contra as mulheres e meninas yazidi documentadas pela Human Rights Watch, incluindo a prática de sequestrar mulheres e crianças e convertê-las forçadamente ao Islã ou obrigá-las a se casar com membros do EI, podem ser parte do genocídio contra os yazidis”, afirmou a organização em um relatório.

 

Com informações do jornal O Globo.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.