Rio Branco, Acre, 28 de setembro de 2020

“Eles não vão me calar”, diz Dilma Rousseff

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Dilma Rousseff gravou uma entrevista no último domingo (5) e que foi ao ar na noite desta quinta-feira (9), pela TV Brasil. A presidente afastada fala sobre questões econômicas que podem ter originado fatores que contribuíram para a instauração da crise enfrentada no país.

A petista traça o cenário com base no aumento de commodities, como o petróleo, as taxas de câmbio para superávit comercial e fatores naturais como a seca.

Questioanda sobre o período de crise e recessão atual, ela responde que houve clareza no que estava ocorrendo, mas havia limite para absorver no orçamento. Cortar despesas era o caminho e citou como exemplo o Fies.

Sobre as eleições de 2014, Dilma fala sobre a movimentação que já ocorria em seus últimos dois anos de mandato, por parte da direita. Sobre Eduardo Cunha, ela diz que ele um líder da direita e leva o centro para o seu lado. A petista destaca o problema de trabalhar com o presidente afastado da Câmara, pois o peemedebista, para ela, tem pauta própria, conservadora e de negócios, o que tornou difícil a relação com o centro.

Para Dilma, o governo Temer “expressa a pauta de Cunha”. No entanto, “o PMDB do Senado é qualitativo”, afirma ela mencionando que o nível de discussão é diferente pela sua acessibilidade.

Especificamente sobre a Operação Lava Jato e dos vazamentos, Dilma destaca que setores importantes da mídia foram cúmplices do uso político seletivo. Para ela, o principal problema não é só o impeachment, mas como todos os poderes e níveis da ordem jurídicia são afetados, “vai para o vinagre”, refere. Dilma Rousseff afirma que há hipocrisia e manipulações nas investigações da força-tarefa.

Se o impeachment caísse no Senado, no dia seguinte, Dilma diz que a população deve ser consultada. Para a petista é fundamental “haver o fim do golpe”, já que não há como fazer pactos com o governo Temer. Garante que se tudo continuar como está, ou seja, mantendo Eduardo Cunha, as pautas permanecem iguais. É preciso discutir o caminho a seguir, e cita que uma das hipóteses seria um plebiscito.

 

Da Redação.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.