Rio Branco, Acre, 25 de outubro de 2020

De craque para craque: índio artilheiro manda recado a Neymar

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Carregar uma tocha já foi um costume dos antepassados de Ismael Suzawre, índio da etnia Xerente. Mais tarde, eles passaram a usar a lamparina. E, desde o começo dos anos 2000, a luz elétrica chegou à aldeia Porteira, em Tocantínia, que fica a 75km de Palmas. Hoje, aos 28 anos, ele retomou, por alguns minutos, as tradições históricas de seu povo por um motivo especial: ser um dos condutores da tocha Olímpica Rio 2016 na capital tocantinense.

“Acho importante representar o povo Akwē Xerente no revezamento”, diz Ismael, que joga futebol e foi campeão da primeira edição dos Jogos Mundiais dos Povos Indígenas, realizada no ano passado em Palmas. .

Com seis gols, Ismael foi artilheiro na campanha vitoriosa da etnia Xerente, que venceu a seleção indígena da Bolívia na decisão nos pênaltis, após a final terminar empatada em 2 a 2. “Mas o jogo mais difícil foi contra os Kanela, do Maranhão, em outra fase”, lembra ele.

Corrida da tora

Para treinar aos finais de semana, Ismael e os colegas viajavam até 30km para algumas das 67 aldeias que formam a nação Xerente. “Quase todos da nossa etnia jogam futebol, inclusive as mulheres, que foram vice-campeãs”, destaca.

A primeira edição dos Jogos Indígenas já realizada reuniu etnias de 23 países. Além do futebol, Ismael participou de disputas próprias da cultura indígena: a corrida da tora e do cabo de força. “Ficamos em terceiro no cabo porque nos cansamos no futebol”, assegura o artilheiro, que enaltece a valorização dos costumes indígenas trazida pelo evento.

“A corrida de tora, por exemplo, nem vale medalha. Neste sentido, é um pouquinho diferente dos Jogos Olímpicos”, explica.

Recado para Neymar

No Rio 2016, Ismael torce pelo inédito ouro do futebol brasileiro, e manda um recado para Neymar: “Ele é o cacique daquele time. Apesar de jovem, tem que saber liderar os colegas”, aconselha.

Mas a vida de Ismael não se resume ao futebol. De segunda a sábado, ele se desloca 25km e atravessa o rio Tocantins de balsa, para estudar. Ele cursa Serviço Social na Universidade Federal do Tocantins, na cidade vizinha, Miracema do Tocantins. “Quero dar um retorno para o meu povo, lutar pelos nossos direitos”, ressalta o Xerente.

 

Com informações de Rio 2016.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.