Rio Branco, Acre, 30 de outubro de 2020

Política: Um bom negócio para Vagner Sales

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

vagner_faixa1Quem conheceu o Vagner Sales no inicio de sua carreira política, mal poderia imaginar que o mesmo pudesse vir a acumular um patrimônio declarado no TRE em um valor que ultrapassa 1 milhão e 800 mil reais. Somado à declaração de sua esposa, a também política Antônia Sales, seu patrimônio familiar DECLARADO à justiça eleitoral é de três milhões e duzentos mil reais. Valor provavelmente muito subestimado em relação à sua fortuna real.

A história de como o ‘menino pobre’ do seringal Grajaú tornou-se proprietário de uma das maiores fortunas da região, poderia ser contada como um modelo de inspiração sobre sucesso e vitória pessoal através do trabalho duro e incansável. Mas certamente, essa não é a história de Vagner Sales.

Sem nunca ter exercido qualquer outra profissão na vida, a história da fortuna pessoal de Vagner Sales é mais parecida com a de outros tantos políticos profissionais, que sem nunca terem exercido qualquer outra atividade produtiva, ainda assim, acumulam milhões em renda e patrimônio.

Eleito pela primeira vez vereador em 1982, Vagner Sales exerceu cargo político como deputado estadual entre 1990 e 1998 e desde 2008 é prefeito de Cruzeiro do Sul.

Ainda que Vagner fizesse a proeza de guardar integralmente seu salário, é pouco provável que conseguisse acumular tamanha fortuna.

Fortuna Subestimada

Mais improvável ainda é que a sua propriedade urbana, a fazenda declarada em mil hectares, duas mil cabeças de gado, seus famosos cavalos de raça (não mencionados na declaração), o galpão e a mansão de três andares caibam em sua declaração ao TRE.

galpão

Foto Aérea da propriedade de Vagner Sales. Declaração ao TRE estaria subestimada, segundo avaliação imobiliária local. Ao fundo, Galpão

O valor declarado de sua fazenda é de 780 mil. Segundo uma pesquisa imobiliária o valor do hectare em propriedades naquela região mesmo sem asfalto é avaliado em 60 mil reais/ha. Ou seja, somente a área, valeria, no mínimo 6 milhões de reais, isso se não tivesse acesso asfaltado.

Contudo, moradores da região dos badejos (ramais próximos) afirmam que os mil hectares de sua fazenda são apenas a parte inicial dos imóveis, e que na verdade, Vagner já teria adquirido propriedades circunvizinhas.

Gado

Segundo informações, a declaração de duas mil cabeças estaria subestimada. Quantidade de vacinas adquiridas no comércio local, levam a acreditar que o rebanho total deve ultrapassar as 3.600 cabeças.

Já seria muito difícil criar mesmo o seu rebanho declarado de duas mil cabeças de gado em apenas mil hectares, mas a suspeita, é que seu rebanho seja de aproximadamente 3.600 cabeças, quantidade de vacinas adquiridas no comércio local.

Já a ‘casa do povo’, na avenida Mâncio Lima cujo valor declarado foi de 200 mil reais, foi avaliado por uma imobiliária em dois milhões de reais.

‘Casa do Povo’ X ‘Mansão dos Escolhidos’

O sucesso político de Vagner Sales explica-se em grande parte pelo seu populismo. Usar a aparência, o linguajar e atitudes de ‘homem simples e do povo’ sempre foi uma de suas armas na política.

mansão

Contrastando com a ‘casa do povo’, na verdadeira residência de Vagner Sales,apenas poucos podem chegar. Visitantes seriam proibidos de fotografar.

casa do povo

Mesmo a modesta ‘casa do povo’ está com o valor subvalorizado. Declarada em 200 mil reais, uma imobiliária local a avaliou em 2 milhões.

Para alimentar o mito de ‘homem simples’, Vagner mantém uma residência na avenida Mâncio Lima, apelidada por ele mesmo de ‘a casa do povo’. É de lá que Vagner de fato toma as decisões relativas à cidade de Cruzeiro do Sul, recebe aliados e trama os próximos passos na política.

É lá também que pratica o assistencialismo mais personalista e descarado possível e onde a população mais carente se vê obrigado a esmolar remédios, exames e serviços assegurados por lei e que deveriam ser encontrados nos postos de saúde, por exemplo.

Vagner gosta de se orgulhar de sua ‘casa sem muros’, como parte essencial de sua política assistencialista.

Mas a ‘casa do povo’ é apenas uma máscara, um escritório político. Sua verdadeira residência é a mansão de três andares na sua fazenda, onde apenas poucos escolhidos são convidados a comparecer, não sem antes serem advertidos para não tirar quaisquer fotos do local.

Peculato

Uma das formas, digamos ‘tradicionais’, com que políticos corruptos incrementam sua renda, é se apropriar indevidamente de verbas auxiliares do mandato de deputado. O caso se aplica a Vagner Sales, condenado nas três instâncias por peculato. Para o judiciário do país, Vagner não aplicou corretamente e nem prestou contas das verbas a que tinha direito para viagens aéreas. Para tanto, utilizou-se de uma empresa laranja, a Aril Tur, com a qual simulava viagens e emitia notas frias. A condenação o tornou inelegível perante a lei da ficha limpa, o que impediria seu registro de candidatura na última eleição. Uma providencial desatenção por parte da Justiça Eleitoral e do MP permitiram, que contrariando a lei, fosse efetuado o registro de candidatura. Vagner deveria ter tido seu mandato cassado, mas, mais uma vez,a morosidade da justiça o beneficiou, com o crime prescrevendo antes da determinação da sentença.

tanques

Na fotografia aérea podem ser contados 46 tanques, e representam apenas uma parte do complexo de piscicultura que não foi declarado ao TRE. Não consta no IMAC que Vagner tenha requerido a licença para o empreendimento. Mais estão sendo construídos.

Complexo de Piscicultura sem licença

Uma fotografia aérea de sua fazenda revela é possível contar pelo menos 46 tanques de piscicultura que não constam em sua declaração. Trata-se de um verdadeiro complexo de piscicultura. Máquinas trabalham na construção de novos tanques, em outra parte da propriedade.

Uma estimativa média, levando-se em consideração apenas as horas máquina utilizadas para a construção dos tanques é de aproximadamente 480 mil reais.

Segundo o mapa do Google Earth, a área está localizada no lado acreano da linha Cunha Gomes, contudo, não consta no IMAC que Vagner tenha solicitado a licença ambiental necessária para a construção dos tanques, (como exigido aos demais empresários do setor) o que caracteriza crime ambiental.

Roubo de Tratores

Vagner Sales protagonizou pelo menos dois casos de roubo de tratores , ou se preferir, apropriação indébita de máquinas agrícolas, e ainda, um terceiro, em que usou máquinas da prefeitura para execução de serviços pessoais em sua fazenda.

A primeira delas foi um trator de pneu da Cooperativa Agrícola Mista de Cruzeiro do Sul, ainda na gestão de José Saraiva no STR. Vagner pediu o trator emprestado à cooperativa e não o devolveu. Ao invés disso, mandou deixar na frente da cooperativa, uma carcaça completamente destruída de outra máquina agrícola.

Na segunda vez, o descaramento foi ainda maior. Vagner apropriou-se de um trator da extinta Colonacre (empresa do governo que dava suporte à produção) e chegou a vendê-la a um empresário local, com o acordo de que antes, a máquina seria utilizada para fazer um trabalho em sua fazenda.

O crime aconteceu durante o governo interino de Edson Cadaxo e foi necessária uma operação policial para retirada da máquina, que passou dias apreendida na delegacia. Nas ruas, a circunstância foi alvo da ironia popular: ‘o ladrão está solto, e o trator, algemado’. O caso reside na memória popular dos trabalhadores rurais de Cruzeiro do Sul.

Na terceira vez, Vagner contou com a anuência do então prefeito da cidade, Aluísio Bezerra, para usar um trator da prefeitura para realizar trabalhos particulares em sua fazenda. Para mascarar a uso indevido, foi forjado um contrato posterior ao ocorrido.

entrada Vagner

O asfalto destinado a beneficiar diversos ramais da região foi todo concentrado no acesso à fazenda. A SUDAM, curiosamente, não viu irregularidade no desvio, mesmo adentrando 3 km no Estado do Amazonas

Por último (até agora), Vagner desviou recursos da SUFRAMA que seriam utilizados para asfaltar trechos de ramais, para asfaltar o acesso à sua própria fazenda. O recurso do governo federal destinado a beneficiar dezenas de produtores, valorizou ainda mais a sua propriedade, uma das apenas duas que receberam o asfalto.

Sem resposta

O jornal Juruá Em Tempo encaminhou, ainda na última quinta-feira, através de um email para a sua assessoria de comunicação, algumas perguntas para que fosse dada a oportunidade para que o mesmo manifestasse sua versão sobre os fatos levantados, contudo, até o momento da postagem desta reportagem, ainda não havíamos recebido uma resposta.

 

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.