Rio Branco, Acre, 28 de outubro de 2020

Onça é morta após participar do percurso da Tocha Olímpica em Manaus

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

OnçaMANAUS – A onça que interagiu com a Tocha Olímpica na manhã desta segunda-feira (20) foi morta logo após o evento. De acordo com nota do Comando Militar da Amazônia (CMA), conhecido comoJuma, o animal teria fugido da coleira e avançado em um militar durante operação de resgate no interior do Zoológico do Centro de Instução de Guerra na Selva (CIGS).

Uma equipe tratadores, composta por veterinários especializados no trato, foi ao resgate da onça. Tranquilizantes foram disparados no animal, que mesmo dopado se deslocou em direção a um dos militares. A onça foi abatida com um tiro de pistola por medidas de segurança diante da integridade física das pessoas que estavam no local.

Com o disparo o animal veio a falecer. O Comando Militar da Amazônia já determinou abertura de processo administrativo para apurar os fatos relacionados ao incidente.

Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas

Onça TochaOnça MortaAo Portal Amazônia, Ipaam divulgou que o quartel já foi notificado e a partir da avaliação da situação as medidas cabíveis serão tomadas. Uma multa de R$ 3 mil a R$ 300 mil pode ser aplicada caso o CMA seja considerado culpado pelo ocorrido com a onça Juma. Ainda segundo o Ipaam, dependendo do agravamento da situação, o CIGs será fiscalizado.

Tocha Olímpica

Uma das passagens da Tocha foi no Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS) durante o percurso do CIGs até o barco, onde passou pelo Encontro das Águas. No local, Juma estava acompanhado de um dos tratadores e ficou bem próximo a um dos participantes do revezamento. Veja a nota na integra:

Nota à Imprensa

1. O Comando Militar da Amazônia (CMA) informa que, no dia 20 de junho de 2016, no final da manhã, uma onça veio a escapar no interior do Zoológico do Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS), que no momento do ocorrido se encontrava fechado, vazio e em segurança.

2. Uma equipe de militares composta de veterinários especializados no trato com o animal foi ao seu encontro para resgatá-la. O procedimento de captura foi realizado com disparo de tranquilizantes. O animal, mesmo atingido, deslocou-se na direção de um militar que estava no local. Como procedimento de segurança, visando a proteger a integridade física do militar e da equipe de tratadores, foi realizado um tiro de pistola no animal, que veio a falecer.

3. O Comando do Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS) já determinou abertura de processo administrativo para apurar os fatos.

*atualizado às 9h52 do dia 21 de junho, para inserção de dados do Ipaam.

Fonte: Portal Amazônia

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.