Rio Branco, Acre, 24 de setembro de 2020

Ícone do volei brasileiro, Giba conduziu tocha olímpica em terra natal

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Ele acumula oito medalhas de ouro na Liga Mundial, é tricampeão mundial e esteve em quatro Jogos Olímpicos – conquistou o ouro em Atenas 2004 e duas pratas, em Pequim 2008 e Londres 2012. O ex-ponteiro da seleção brasileira de vôlei Gilberto Amauri Godoy Filho, o Giba, de 39 anos, é um dos ícones do esporte no Brasil. Nesta terça-feira (28), ele participaou do revezamento da tocha Olímpica Rio 2016 em Londrina (PR), sua cidade natal.

“É muito especial ser condutor deste símbolo que é pedaço da história aqui na cidade onde eu conheci o vôlei. Me recorda um momento chave da minha carreira, quando senti a emoção de estar pela primeira vez numa Vila Olímpica, em Sydney. Foi um momento de perceber que toda a luta para chegar aos Jogos Olímpicos deu resultado. E hoje tenho três medalhas”, disse Giba.

Com “apenas” 1,93 m, Giba poderia ter ficado para trás tanto de seus adversários quanto dos colegas de equipe, mas a velocidade que imprimia nas quadras compensava a estatura considerada baixa para um jogador de vôlei.  Nos anos que antecederam a sua saída da seleção, o já consagrado atleta foi o destaque do time quatro vezes em um curto intervalo de tempo. Entre 2004 e 2007, ele figurou como o melhor jogador nos Jogos Olímpicos Atenas 2004, na Liga Mundial de Voleibol (2006), no Campeonato Mundial de Voleibol Masculino (2006) e na Copa do Mundo de Voleibol (2007).

“Tenho carinho por todos eles e acho que cada um teve a sua história. Até Sidney 2000, que não teve medalha, mas foi a realização do sonho de participar dos Jogos. Atenas 2004 foi a consagração de uma geração. A prata em Pequim 2008 foi uma superação, porque vínhamos de um momento conturbado, com o afastamento do Ricardinho.  E a final em Londres 2012 foi meu último jogo pela seleção depois de 20 anos. Foi o final de um ciclo”, avalia ele.

Atualmente, a seleção brasileira de vôlei se aquece para os Jogos disputando a Liga Mundial, que termina em 17 de julho, na Polônia. De olho no desempenho da equipe, Giba aposta em medalhas para o Brasil no Rio 2016.

“A seleção começou muito bem. Os primeiros jogos foram muito importantes e agora o time vai se encaminhando para a fase final da competição. A equipe está no caminho certo, concentrada e ciente das responsabilidades que vai enfrentar aqui. A pressão vai ser grande, os próprios jogadores se cobram. Mas tanto o time masculino quanto o feminino têm chances de levar uma das três medalhas”, opina Giba.

Aposentado das quadras há dois anos, Giba hoje compõe o time de comentaristas da TV Globo e acompanha de perto dos adversários que o Brasil terá nos Jogos.

“Os principais rivais são Polônia, Rússia, França, Estados Unidos, Itália. O Brasil ou um desses cinco times vai levar o ouro”, aposta.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.