Rio Branco, Acre, 20 de outubro de 2020

Desdobramentos da Lava Jato reduzem chance de Cunha se salvar

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Os novos desdobramentos da Lava Jato fecharam o cerco ao deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e praticamente enterraram as chances que o peemedebista tinha de reverter a recomendação de cassação de seu mandato feita pelo Conselho de Ética da Câmara.

A avaliação foi feita nesta sexta-feira (1º) por parlamentares de diversos matizes e até por alguns dos principais aliados de Cunha. Mesmo integrantes do governo do presidente interino, Michel Temer, reconhecem que a situação do deputado afastado chegou ao limite.

O Planalto vinha monitorando a repercussão das notícias que vinculavam Temer a Cunha. Os resultados, afirmou um auxiliar do presidente interino, mostram que o deputado peemedebista se tornou uma figura “tóxica”.

O monitoramento das redes sociais mostrou que a divulgação de um encontro entre Temer e Cunha na residência oficial do interino em Brasília, no último domingo (26), recebeu 93% de menções negativas em comentários na internet. Com algum esforço foi possível classificar 6% dessas interações como neutras.

Ainda assim, o Planalto se esforçou para, desde que o encontro ocorreu, dar demonstrações públicas a Cunha de que ele não havia sido abandonado por Temer.

A iniciativa, no entanto, também foi por água abaixo com as novas acusações que vieram à tona nesta sexta.

A cúpula do PSDB, que vinha tentando capitanear um acordo em torno de um nome indicado por Cunha para sucedê-lo na presidência da Câmara, abrindo espaço para a renúncia do peemedebista, foi bombardeada por deputados da sigla, que rechaçaram qualquer aceno ao deputado.

Os tucanos pressionaram líderes da sigla a desmentirem publicamente qualquer articulação em torno de Cunha e garantiram que o peemedebista não terá “um voto favorável sequer” entre os deputados do PSDB que atuam na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), colegiado ao qual recorreu para tentar reverter a decisão do conselho.

Nem a renúncia é vista como moeda de troca capaz de salvar Cunha da perda do mandato. Aliados do peemedebista dizem que ele perdeu o timing para usar o recurso.

Nesse ambiente, cresceram os rumores de que, acuado, o peemedebista poderá buscar elementos para pressionar o governo e os colegas da Câmara a mudarem de ideia.

Aliados disseram ao próprio Temer que havia risco de Cunha gravar conversas privadas para usá-las posteriormente. Esses rumores têm irritado o peemedebista. A interlocutores ele já disse que esse tipo de ilação só serve para deixá-lo ainda mais isolado politicamente.

 

Com informações da Folha de S. Paulo.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.