Rio Branco, Acre, 27 de outubro de 2020

Acre tem 1º caso de microcefalia por zika

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

A Secretaria de Saúde do Acre (Sesacre) confirmou o primeiro caso de microcefalia relacionado ao vírus da zika no estado. A informação consta no boletim epidemiológico divulgado pela pasta nesta terça-feira (5).

O estudo aponta ainda um aumento de 561% no número de casos de dengue na região do Alto Acre, onde estão cidades como: Brasileia, Epitaciolândia e Assis Brasil.

Segundo o boletim, o caso de microcefalia por zika ocorreu em Rio Branco e o bebê veio a óbito. Não foram divulgadas informações sobre o período em que o nascimento ocorreu nem sobre o falecimento e a mãe.

“Desde o momento da gestação, a mãe foi diagnosticada com zika e nossa preocupação sempre foi essa, então possível, complicação. Acompanhamos o pré-natal junto com a equipe do município. Nos exames intermediários e pós-parto houve a confirmação da infecção do feto com o zika vírus e infelizmente a criança veio a óbito”, explica a gerente do Departamento de Vigilância Epidemiológica da Sesacre, Eliane Costa.

Ainda segundo o boletim, outro caso de microcefalia foi registrado em Rio Branco no período, porém, teria sido provocado por toxoplasmose. Outros nove casos suspeitos da doença estão sob investigação.

Até o final de junho, de acordo com o boletim, foram notificados 1.382 casos suspeitos de zika. Desses, 24 foram confirmados, 23 descartados e 1.335 estão em investigação.

Dengue aumenta no Alto Acre
O estudo aponta ainda redução de 86% na regional que engloba as cidades dos vales do Juruá e Tarauacá/Envira. Segundo o boletim, de 3 de janeiro a 25 de junho de 2015 foram registrados 7.817 casos na regional contra  1.137 em 2016.

Já na regional do Baixo Acre e Purus houve um aumento de 71% nas notificações. Foram 3.199 casos em 2015 contra 5.464 neste ano. A região, onde estão cidades como Sena Madureira, Bujari e a capital Rio Branco, concentra a maioria dos casos da doença.

Percentualmente, porém, o maior aumento ocorreu na região do Alto Acre. Que pulou de 196 notificações de dengue no primeiro semestre de 2015 para 1.295 em 2016. Um aumento, segundo a Saúde, de 561%.

Chikungunya
Já em relação à febre chukungunya, dos 992 casos notificados, 32 foram confirmados, 313 aguardam triagem, 19 estão em análise, 421 tiveram resultado não reagente, 14 tiveram resultado indeterminado, oito não foram testados e dois aguardam liberação de resultado.

Tendência de diminuição
Segundo Eliane Costa, a expectativa é que o número de casos das doenças tenham redução no segundo semestre de 2016, porém o caso de microcefalia serve de alerta.

“O que importa para nós é identificar o que está acontecendo, a área em que aconteceu e intensificar a promoção à saúde e diminuição dos possíveis focos do mosquito. Precisamos evitar futuros óbitos. Serve para gente como alerta para diminuir focos mosquito”, finaliza.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.