Rio Branco, Acre, 28 de outubro de 2020

Seca na Amazônia coloca balsa em alerta, Acre pode ficar isolado

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Localizada no distrito de Abunã, aproximadamente 250 quilômetros de Porto Velho, a balsa que realiza a travessia da BR-364 sentido ao estado do Acre, pode paralisar suas atividades em decorrência ao intenso período de seca que vem assolando os rios da Amazônia desde o mês de junho.

Entre as maiores dificuldades para a navegação está a formação de bancos de areia que acabam fazendo com que a balsa atole no meio da travessia, tendo que ficar por horas no aguardo de resgate.

Para retirar uma balsa atolada é necessário um intenso trabalho envolvendo máquinas pesadas como pá carregadeiras, além do trabalho braçal dos funcionários da empresa responsável pela gestão da travessia do rio.

Caso a balsa fique parada, o estado do Acre poderá perder sua única rota de saída via terrestre ao resto do Brasil. No estado acreano a seca fez com que o governador decretasse estado de emergência e um colapso no abastecimento não é descartado.

Para tentar evitar que a situação na balsa chegue ao limite, é necessário um trabalho de drenagem no rio. Outra medida é a construção da ponte, porém ao que tudo indica a obra pode durar ainda quase dois anos para conclusão.

Há quase cinco anos em obras, a ponte seria o fim de um transtorno e prejuízo encarado há décadas por quem precisa utilizar a rodovia, porém seguidos problemas fizeram com que seu andamento fosse protelado.

Enquanto isso a balsa continua funcionando com o sinal de alerta ligado.

Balsa enfrenta dificuldades para atravessar Rio Madeira, Estado do Acre pode ficar isolado

Mais uma vez a seca do rio Madeira pode deixar o estado do Acre isolado. Assim como em anos anteriores, nesta época do ano, a balsa que faz a travessia já está enfrentando dificuldades para superar os bancos de areia que surgem no leito do “Madeirão”.

Na última quinta-feira (25), a balsa que fica na Br364, a cerca de 250 quilômetros de Porto Velho atolou num banco de areia, sendo necessário o uso de maquinas pesadas para retirá-la. Uma pá carregadeira e uma PC foram usadas para fazer o atracamento na margem esquerda.

Toda a ação de retirada da balsa levou mais de uma hora, com motoristas e passageiros sendo obrigados a esperar o desenrolar da situação. Se persistir a baixa do “madeirão”, em breve o estado vizinho do Acre pode sofrer um colapso no abastecimento de combustíveis e outros itens de primeira necessidade.

No ano passado, neste mesmo período, houve filas de veículos que levaram a intermediação da Polícia Rodoviária Federal para acalmar os ânimos de caminhoneiros que quase chegaram as vias de fatos por causa da demora.

A empresa que tem a licença para operar na travessia de veículos, a Rodonave Navegações está envidando todos os esforços para a não paralisação dos serviços. Um outro porto foi construído, máquinas estão de prontidão, além do aumento de rebocadores para auxiliar no desencalhe das balsas.

O valor cobrado para a travessia é motivo de indignação. Um caminhão modelo Bi-trem paga R$120,00. Um pedestre paga R$1,20. Para atravessar uma Kombi nos cerca de 800 metros do Rio Madeira paga-se R$17,50, valor maior que muito pedágio do sul e sudeste.

 

Com informações de A Tribuna.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.