Rio Branco, Acre, 20 de outubro de 2020

TCE identifica irregularidades no funcionalismo público

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Os prefeitos e o Governo do Estado têm ainda 20 dias para entregar a relação completa de servidores ao Tribunal de Contas do Estado. Os conselheiros não querem apenas nomes e quantidades, os gestores vão ter que informar qual a situação desse trabalhador, onde está lotado, qual a secretaria de origem e qual a função atual.
Na lista, tem que aparecer se é cargo comissionado, se tem função gratificada ou qualquer benefício que receba.

No mês de agosto, o TCE que saber quem está gastando acima do limite com a folha de pagamento e quem são essas pessoas, e, se, realmente é necessária a manutenção da secretaria ou do município.

De acordo com a presidente do TCE, Naluh Gouveia, os prefeitos em especial estão sendo impedidos de fazer concurso público e reclamam da falta de pessoal em alguns setores. Em compensação, têm secretaria com quantidade excessiva de funcionários.

“Em muitos casos, um simples remanejamento resolveria o problema. Encontramos muitos servidores fazendo atividade adversa do que foi contratado”, explicou a presidente.

Segundo Naluh, em Manoel Urbano, por exemplo, tem servidora contratada como merendeira trabalhando como bibliotecária. Em Jordão, o número de funcionários para limpeza das escolas é o dobro de professores: são 230 servidores para limpar três unidades.

“Esses relatórios serão lançados num programa de computador do TCE para que faça o encontro de informações. Agora, ficará fácil saber se um servidor do Estado está emprestado a uma prefeitura ou vice versa. Vamos saber até quem trabalha ou é fantasma”, avisou.

O prazo para os gestores entregarem a relação dos servidores é até 30 de julho.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.