Rio Branco, Acre, 27 de outubro de 2020

Cruzeiro do Sul: ‘Princesinha do Juruá’ ou ‘Cidade dos Urubus’?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Urubus

Urubus fazem ‘pick nick’ na praça do Fórum com lixo que não foi coletado. Foto: Leandro Altheman – 18/07/2016

Em um sábado qualquer Paulo resolveu fazer um churrasco na varanda de sua casa, no Morro da Glória.

Com alho e limão, Paulo* temperou as costelinhas de porco e foi acender o fogo. Quando voltou: cadê as costelas? Chegou a pensar que alguém tivesse feito uma brincadeira, mas quando olhou para o alto, viu toda carne do churrasco sendo levada por um bando de urubus que cruzava o céu azul do Morro da Glória.

Carlos subia a ladeira da escola técnica com o seu Escort cinza, ano 97, que por não possuir ar condicionado, o obriga a andar com as janelas abertas. Sua maior surpresa, contudo, foi perceber, ao passar por uma caçamba de lixo repleta de urubus, que uma das aves, assustada com o barulho do carro ou talvez capturada pelo túnel de vento gerado pelo automóvel, entrou por uma das janelas.

Imediatamente, por reflexo e apavorado, Carlos estacionou o carro e abriu as portas para que o urubu pudesse sair.

Empoleirado em caixas de lixo azuis ou sobrevoando os céus da cidade, digerindo a refeição anterior ou esperando pela próxima, as aves são tão presentes em Cruzeiro do Sul que a cidade antes famosa por seus belos igarapés já está sendo chamada de ‘Cidades dos Urubus’.

O Coragyps atratus, ou urubu comum, é uma ave de tamanho médio, seu comprimento é de 56 a 68 cm, sua envergadura é de 1,5 m e seu peso pode chegar a 1,9 kg. Seu olfato é bem desenvolvido.

Se por um lado, talvez devêssemos agradecer pela presença do pássaro que atua como o mais eficiente lixeiro da natureza, por outro, é um forte indicativo de deficiências no sistema de coleta de lixo.

Sempre que o problema é abordado, há trocas de acusações entre empresários, pequenos comerciantes e a prefeitura, que alega que os mesmos não acondicionam o lixo de modo adequado e o depositam nas caixas fora dos horários de coleta, mas tampouco institui qualquer multa para isso.

Os urubus são importantes na manutenção do equilíbrio ecológico do meio ambiente, mas passam a ser considerados pragas urbanas a partir do momento em que passam a trazer incômodos como os descritos nas histórias acima.

Urubus não podem ser mortos e ou maltratados, pois são protegidos pela Lei nº 9.605 de 12 de fevereiro de 1.998 – Lei de Crimes Ambientais CAPÍTULO V – DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE art. 32 conforme segue:

Art. 32 – Praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos:Pena – detenção, de três meses a um ano, e multa.

Embora não seja comum, há descrições de seres humanos acometidos pelo carbúnculo hemático, uma doença que pode ser transmitida pelos urubus. A doença se manifesta com mais frequência entre bois e cavalos.

*Paulo e Carlos são nomes fictícios. As histórias são reais.

Fotos: Blog do Altino Machado

 

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.