Rio Branco, Acre, 28 de outubro de 2020

Aldemir Lopes: cai a máscara de mais um hipócrita ‘contra a corrupção’

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Dia após dia, cai a máscara de muitos oportunistas que vociferaram contra o governo Dilma entoando o mantra ‘contra a corrupção’. Se o combate à corrupção é tema de interesse de todos os brasileiros, a partidarização do problema, como colocado por parte da importante da grande imprensa nacional, atende a interesses bastante específicos.

Aldemir Lopes

Aldemir Lopes, em protesto ‘contra a corrupção’

O troféu hipocrisia dessa semana vai para o ex-prefeito de Brasileia, Aldemir Lopes da Silva (não confundir com Aldemir da Silva Lopes, atual prefeito de Marechal Thaumaturgo – PT).

Ele foi preso nesta semana pela Polícia Federal. A PF confirmou que o prefeito e mais quatro membros da equipe de secretariado estão envolvidos no esquema que praticava fraudes e desvio de recursos públicos, além de lavar dinheiro e fraudar documentos públicos. Todos estão sendo indiciados.

Aldemir é apontado como uma espécie de guru do PMDB acreano. Toda a articulação política dos municípios da Regional do Alto Acre passa por ele. Nada de realmente importante é decidido sem sua decisiva participação.

O velho Aldemir Lopes (PMDB) gabava-se por haver comandado a mudança de comando nas prefeituras do Alto Acre em 2012, quando a oposição liderada pelo PMDB destronou prefeitos do PT, pintando de azul a região que era vermelha há mais de uma década. Aldemir é o principal fiador de Everaldo Gomes, desde a campanha vitoriosa até a desastrosa gestão, Aldemir Lopes cai em desgraça. E não desaba sozinho. Ele vai às profundezas na companhia de seu pupilo e de vários secretários comparsas. O ex-prefeito é o único que encontra-se preso. Everaldo Gomes, afastado do cargo, poderá vir a fazer companhia ao seu mentor político no xadrez. As traquinagens dos membros do “glorioso” PMDB de Brasiléia respinga no partido de maneira geral. Não seria absurdo imaginar a existência das mesmas práticas em outras prefeituras comandadas por correligionarios de Everaldo. De resto, a sociedade espera algo que certamente não vira: um posicionamento do da direção regional do PMDB deplorando a conduta da quadrilha que tomou de assalto a prefeitura da pequena Brasileia. Até porque o partido tem sido diligente em denunciar… Desde que a mazela seja do adversário.

Confira outros hipócritas ‘anti-corrupção’ que caíram em desgraça

Raquel MunizRaquel Muniz (PSD-MG): Votou ‘sim’ pelo impeachmeant de Dilma, pelo marido Ruy Muniz, o ‘prefeito honesto’ de Montes Claros. Preso logo em seguida pela PF por um esquema que visava prejudicar o funcionamento dos hospitais públicos para favorecer hospital particular de sua propriedade.

wladWlad Costa (Solidariedade-PA): O ‘deputado dos confetes’ fez do seu ‘sim’ ao impeachmeant uma ‘festa infantil’. Teve o mandato cassado por omitir doações de campanha de fontes não declaradas. Também é investigado por contratação de funcionários fantasmas no seu gabinete. Os “laranjas” eram obrigados a ir ao caixa do banco sacar o dinheiro e entregar toda a quantia nas mãos do irmão de Wladimir, Wlaudecir, que então depositava o dinheiro na conta do deputado. O valor total desviado por Wladimir e seu irmão pode ser superior a R$ 210 mil, em 2 anos. Wlad também esta sendo investigado por desviar recursos da secretaria de esporte e lazer do Pará através de uma ONG. Wlad é da base de apoio do governador Simão Jatente (PSDB).

renan mblRenan Antônio Ferreira dos Santos (MBL): um dos três coordenadores nacionais do MBL (Movimento Brasil Livre), entidade civil criada em 2014 para combater a corrupção e lutar pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), está envolvido em problemas na Justiça. Ele é réu em, pelo menos, 16 ações cíveis e mais 45 processos trabalhistas, incluindo os que estão em seu nome e o das empresas de que é sócio.
As acusações incluem fechamento fraudulento de empresas, dívidas fiscais, fraude contra credores, calote em pagamento de dívidas trabalhistas e ações de danos morais, num total de R$ 4,9 milhões. Além disso, o movimento está sofrendo uma ação de despejo de sua sede nacional, localizada em um prédio na região central de São Paulo, por se recusar a deixar o imóvel mais de um ano após o pedido de devolução por parte de seu proprietário.

O imóvel e o aluguel estão em nome de Stephanie Santos, irmã de Renan Santos. No mesmo local, funciona a produtora de vídeos NCE Filmes, comandada por Stephanie e seu outro irmão, Alexandre Santos, que é responsável pela produção de todo material gráfico e de vídeo do MBL. Também está no nome da irmã a conta bancária em que o movimento recebe dinheiro de doadores interessados em auxiliar a entidade.

MBLMBL – Movimento Brasil Livre. O Movimento Brasil Livre, que se dizia apartidário é liderado por Kim Kataguiri. O MBL recebeu apoio financeiro e material dos quatro principais partidos que se engajaram no impeachment da presidente Dilma Rousseff: PSDB, DEM, Solidariedade e, claro, o PMDB; a reportagem traz áudios em que se negocia o apoio financeiro a atividades do grupo; um dos personagens citados é Moreira Franco, braço direito de Michel Temer, que teria ajudado a custear 20 mil panfletos para o MBL por meio da Fundação Ulysses Guimarães (PMDB).

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.