Rio Branco, Acre, 30 de setembro de 2020

Em Cruzeiro do Sul, salários de comissionados têm atraso de 20 dias

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Servidores que exercem cargos comissionados na Prefeitura de Cruzeiro do Sul, interior do Acre, estão desde o dia 30 de junho sem receber. Segundo o secretário de Administração do município, Mário Vieira Neto, a culpa seria da diminuição da arrecadação dos repasses constitucionais e débitos de R$ 1,4 milhão com a Previdência.

Aproximadamente 200 profissionais exercem cargos em comissão na gestão municipal. De acordo com Neto, porém, parte deles já foi paga durante o mês de julho e o problema estaria afetando apenas aqueles que trabalham na Secretaria de Saúde de Cruzeiro do Sul. Além deles, secretários municipais e o prefeito, Vagner Sales (PMDB-AC) também não receberam.

Neto diz esperar que o pagamento seja feito até esta quarta-feira (20), porém, isso não significa o fim do problema.

“Esta é a primeira vez que atrasamos o pagamento. Graças a Deus conseguimos efetuar o pagamento dos funcionários, mas a expectativa é que nos próximos meses esse atraso se mantenha”, afirma o gestor.

Um comissionado, que não quis se identificar, lamenta. “É complicado passar por essa situação. Temos contas a pagar e com o salário atrasado as contas se acumulam. Espero que o país passe logo por esse momento de turbulência e as coisas voltem ao ritmo normal”, diz.

‘Não temos mais como efetuar cortes’
Nos últimos meses, a Prefeitura de Cruzeiro do Sul tem aplicado uma série de medidas para manter as contas em equilíbrio. No final de 2015, o prefeito anunciou um corte de 25% nos salários dos secretários de estado, servidores comissionados e provisórios.

Já em abril, pôs à venda, por R$ 1,7 milhão, uma área de  31. 889,41m², na Avenida 25 de Agosto. O objetivo era utilizar o dinheiro da venda para investir na malha viária da cidade. Segundo Mário Neto, a venda não deu certo e a situação é cada vez mais crítica.

“Estamos vendo como fazer para concluir o pagamento. Não temos mais como efetuar cortes, já cortamos o que podíamos. Retiramos o fornecimento de marmita para quem trabalha nas ruas, diárias e horas extras. Se tivermos que cortar mais, vamos fechar postos de saúde e parar alguns serviços. A venda do terreno poderia ter aliviado o caixa da prefeitura, mas não deu certo”, finaliza.

 

Com informações do G1.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.