Rio Branco, Acre, 28 de outubro de 2020

Ministério Público Federal cobra transparência nas contas da Rio 2016

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

O MPF (Ministério Público Federal) do Rio entrou com uma ação civil pública na Justiça cobrando mais transparência na contabilidade do Comitê Organizador do Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016.

A ação cobra que as demonstrações contábeis do Comitê da Rio-2016 apontem os recursos recebidos e um relatório consolidado das despesas até o momento, discriminando o que foi gasto com orçamento próprio e e recursos públicos.

Essa recomendação já tinha sido feita pelo MPF em agosto de 2015, incluindo, em especial, a folha de pagamento de funcionários, gastos com a construção da Vila Olímpica e a relação dos contratos desde a criação do Comitê.

O MPF questiona o entendimento do Comitê de que a submissão a órgãos de controle (MPF, TCU e CGU) se encerrou com a revogação do artigo 15 da Lei 12.035/09, que estabelecia que a União poderia destinar recursos para cobrir déficits operacionais do Comitê.

“Em vez de receber aporte financeiro do governo federal, o Comitê optou por repassar à União a contratação de bens e serviços, como o fornecimento de energia às instalações olímpicas, a segurança interna das arenas e a aquisição de equipamentos esportivos”, diz o MPF.

Segundo o procurador da República Leandro Mitidieri, coordenador do Grupo de Trabalho Olimpíadas 2016, ambos os casos -repasses de recursos ou fornecimento de bens e serviços- representam complemento ao orçamento da entidade.

“Aqui se busca a transparência da organização desse evento de alto interesse público, com vultosos recursos federais, para o devido controle social, em tempos de cultura da informação”, disse o procurador.

 

Com informações da Folhapress.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.