Rio Branco, Acre, 20 de outubro de 2020

Ser jovem e mulher são duas barreiras na busca de emprego, diz pesquisa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Estudo da Organização Internacional do Trabalho discute experiências dos jovens (de 15 a 29 anos) no mundo do trabalho. Com base em pesquisas de transição escola-trabalho (SWTS, sigla em inglês) de 32 países em desenvolvimento (incluindo o Brasil) entre 2012 e 2015, o relatório conclui que ser jovem e mulher são duas barreiras na busca de emprego.

Quanto à questão de gênero, segundo o relatório, em todo o mundo a taxa de participação da força de trabalho de homens jovens permanecem 16 pontos percentuais maior do que a de mulheres jovens em 2014. Se tornar pai/mãe exacerba as lacunas, empurrando os jovens para o emprego e as mulheres jovens para fora do mercado de trabalho. As disparidades de gênero ainda se expressam em taxas de desemprego, taxas de informalidade e níveis de subutilização do trabalho.

O relatório mostra que nem o crescimento econômico ou o aumento do investimento na educação das mulheres por si só podem aumentar a igualdade de gênero. Por exemplo, nas regiões onde as disparidades de gênero na taxa de participação da força de trabalho dos jovens permanecem entre as mais altas (como América Latina e Caribe e no Oriente Médio e Norte da África), a percentagem de mulheres jovens com um diploma de ensino superior supera o de homens.

A igualdade de gênero é benéfica em termos de maior poder de decisão e autonomia para as mulheres e também em termos de redução da fertilidade e maior renda familiar. Também existem evidências para demonstrar como a igualdade de gênero aumenta o crescimento da produtividade.

 

Por Lifestyle.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.