Rio Branco, Acre, 18 de janeiro de 2021

Inquérito confirma assassinato de 347 xiitas pelo exército nigeriano

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Uma comissão pública de inquérito confirmou nesta segunda-feira (1º) que o exército nigeriano matou 347 membros de uma confraria xiita no decurso de uma manifestação em dezembro.

Este massacre, denunciado por diversos políticos locais e pela Amnistia Internacional (AI), que solicitou a realização de um inquérito independente, foi sempre negado pelo exército nigeriano.

Entre 12 e 14 de dezembro ocorreram confrontos em Zaria, bastião do Movimento islâmico da Nigéria (IMN), um grupo xiita que defende a instauração de um regime inspirado no Irã no Estado de Kaduna (norte), e que coincidiram com a visita à região do general do exército Tukur Yusuf Buratai.

“O exército nigeriano utilizou uma força excessiva”, refere o relatório publicado pela comissão designada pelo Governo, acrescentando que um soldado também foi morto, e desencadeando os dois dias de revolta.

“Dos 349 mortos, [excetuando o soldado morto e um membro do IMN que morreu sob detenção], foram enterradas numa fossa comum 347 pessoas”, prossegue o relatório enviado à agência noticiosa France-Presse.

A comissão de inquérito pede a justiça para que identifique e persiga judicialmente os responsáveis, ao aludir às declarações das organizações de direitos humanos que se pronunciaram sobre este massacre.

Em abril a AI tinha já acusado o exército de ter assassinado mais de 350 muçulmanos xiitas (uma minoria no país), de ter enterrado os cadáveres numa fossa comum e de ter destruído as provas.

Frequentemente acusado de abusos contra civis, o exército nigeriano mantém que as suas tropas reagiram de forma apropriada contra “inimigos criminosos do Estado” e nega as acusações de massacre.

A hierarquia militar nigeriana assegura ainda que o IMN tentou assassinar o general Buratai, acusação rejeitada pela organização xiita.

O chefe do IMN, Ibrahim Zakzaky, detido no passado por várias vezes, está de novo sob prisão. Ferido após os confrontos com o exército, perdeu um olho e está praticamente paralisado.

Centenas de apoiantes do IMN ainda estão considerados desaparecidos, possivelmente mortos, e cerca de 12 poderão ser condenados à morte por conspiração contra o Estado e por terem morto um membro do exército.

 

Com informações de notícias ao Minuto.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.