Rio Branco, Acre, 23 de novembro de 2020

Onde vai passar a ferrovia bi-ocêanica?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Em documento divulgado hoje no site do DAR (Derechos, Ambiente e Recursos Naturales), do Peru, estudo de viabilidade técnica para a construção da ferrovia aponta que a rota mais curta (870km) que ligaria Cruzeiro do Sul a Pucalpa, é inviável do ponto de vista legal dos dois países.

O estudo de viabilidade técnica sugere cinco rotas possíveis:

As Rotas B e P viriam praticamente paralelas à rodovia BR364, passando por Feijó, Tarauacá e Cruzeiro do Sul, variando no trajeto do lado peruana. Estas duas rotas atravessariam o PNSD e foram consideradas inviáveis do ponto de vista legal em ambos os países.

A Rota C1 atravessaria a fronteira a partir de Feijó, em direção ao rio Muru. Cruzaria uma área relativamente menor do PNSD (20 km, segundo o documento). O documento condiciona que esta rota poderia ser viabilizada desde que houvesse garantias sociais aos povos nativos impactados do lado peruano.

A Rota C2 evitaria o PNSD, mas impactaria o território dos índios isolados.

Finalmente, o documento propõe a Rota S, partindo de Rio Branco, paralelamente à Transocêanica, como sendo a mais viável.

MAPA-TREN

Imagem:DAR

A nota faz ainda sérios questionamentos à iniciativa de construção da ferrovia e afirma que ‘não estão claros os motivos que levaram a escolher este meio de transporte em relação a outras alternativas’ e cita rotas através da Bolívia (que já manifestou intenção de receber a ferrovia) ou mesmo do Chile, o que não traria impactos para a região Amazônica.

Por outro lado, o recém-eleito presidente do Peru, o liberal Pedro Paulo Kuscinsky, coloca entre as prioridades de seu plano de governo, a execução da ferrovia ligando Cruzeiro do Sul a Pucallpa.

Leia Aqui, nota original do DAR

No Brasil, o projeto é defendido por uma comissão presidida pelo senador acreano Jorge Viana (PT), que esteve em julho na China para participar de um seminário promovido pelo governo Chinês em parceria com a empresa chinesa de engenharia China Railway Eryuan Engineering Group (Creec) – responsável pelo estudo de viabilidade da obra.

Leia Aqui

Jorge Viana tem destacado que a modalidade férrea é mais sustentável para a Amazônia do que as rodovias.

O projeto, contudo, encontra críticos sobretudo na área ambiental.

 

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.