Rio Branco, Acre, 19 de janeiro de 2021

Judô brasileiro tem desempenho pior que em Londres e não atinge meta

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Com os resultados da manhã desta sexta (12), o judô brasileiro já tem um resultado pior do que Londres-12, quando conseguiu um ouro e três bronzes. O judoca Rafael Silva, 29 anos, perdeu nas quartas de final para o francês Teddy Reiner, 27. O brasileiro ainda disputa o terceiro lugar à tarde, na repescagem da categoria pesado (mais de 100 kg).

A Confederação Brasileira de Judô (CBJ) tinha como meta melhorar o resultado em relação aos últimos Jogos, seja em qualidade (um ouro e uma prata, por exemplo), seja em quantidade de medalhas.

Ou seja, se conseguisse um ouro e uma prata, a meta teria sido atingida por superar qualitativamente o ouro e os três bronzes de quatro anos atrás. Cinco bronzes também atenderiam ao esperado, quantitativamente.

A mudança de meta em relação aos Jogos de Londres e aos Jogos Pan-Americanos de Toronto-2015 foi feita a pedido dos atletas, que se sentiam excessivamente pressionados, segundo os dirigentes da entidade.

“Em Londres, tínhamos a meta de quatro medalhas. Tivemos um primeiro dia ótimo, com duas. Mas passamos três dias sem pódios. Fomos conseguir a quarta medalha na última luta, num golden score [primeiro a pontuar após o tempo regulamentar]. Os atletas acharam que era uma pressão excessiva e concordamos”, disse Ney Wilson, gestor técnico de alto rendimento da CBJ, em junho.

O objetivo, porém, não foi alcançado. O máximo que o Brasil conseguirá são um ouro, já conquistado por Rafaela Silva, e dois bronzes. Um, o de Mayra Aguiar, foi garantido nesta quinta-feira (12). Rafael Silva ainda tenta chegar a terceira colocação na categoria pesado (acima de 100 kg).

 

Com informações da Folhapress.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.