Rio Branco, Acre, 27 de novembro de 2020

Governo chama Exército e PF para combater facções

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

O Governo do Acre acionou o Exército e a Polícia Federal para se somar à Polícia Militar e à Polícia Civil no combate à facção criminosa que provocou noite de terror em Rio Branco, capital do Estado.

Ao todo, foram 11 pontos onde foram tentadas ações criminosas. Em quatro, a facção efetivamente conseguiu incendiar: a sede do Patrimônio Histórico de Rio Branco; uma delegacia; Clube dos Oficiais dos Bombeiros e uma colheitadeira de arroz (esta no interior, no município de Sena Madureira).

A ordem para a sequência de atos de terror partiu de dentro do presídio estadual Francisco D’Oliveira Conde onde uma facção criminosa regional mantém o controle de parte do tráfico e de assassinatos no Acre.

“Existe a possibilidade de transferência de presos”, afirmou o secretário de Estado de Segurança Pública, Emylson Farias. “A ação integrada com forças federais será forte e dentro da Lei. Acima da lei, aqui no Acre, nada é permitido e nada será permitido. A resposta será dura”.

Na manhã desta quarta-feira, três pessoas envolvidas com os crimes foram presas. Com elas, 115 quilos de maconha foram apreendidos.

A sequência de ações, afirma a polícia, é represália em decorrência da morte de um jovem que integrava a facção criminosa. A morte ocorreu na tarde de ontem (16) após o rapaz tentar fugir durante um assalto a uma residência na periferia de Rio Branco.

Reação_ A morte do assaltante já foi uma resposta da polícia. Um dia antes, o Cabo da PM Alexandro Aparecido dos Santos, 36, foi assassinado durante uma abordagem de rotina na periferia de Rio Branco: quando um jovem reagiu de forma violenta, tomou a arma do policial e atirou no pescoço.

Em redes sociais, um áudio supostamente feito por um dos líderes de facção criminosa dentro do presídio enaltece o assassinato do policial. O áudio repercutiu rapidamente na corporação e criou um clima de nervosismo.

A reação da PM tem respaldo do próprio comando. Em uma rede social, o jornalista Altino Machado teve acesso a um texto do sub-comandante da PM do Acre, Ulisses Araújo. O texto era direcionado á tropa da PM. Não há dúvidas em relação à postura a ser emplacada, após o assassinato do Cabo Alexandro.

“Não vamos deixar de graça. O bem vence o mal. ‘Servir e proteger’ significa também usar a força necessária para enfrentar situações que colocam em risco a integridade física de qualquer cidadão de bem acreano e qualquer integrante das forças de segurança pública”. A íntegra do texto está publicada neste site nas Quentinhas da Redação.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.