Rio Branco, Acre, 25 de novembro de 2020

Temer prepara agenda de viagens para “vender” o País

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Apesar de oficialmente ainda aguardar o fim do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff para “se apresentar” ao mundo, o presidente em exercício Michel Temer já trabalha com um calendário de viagens internacionais para tentar recuperar a imagem do País e atrair investimentos.

Também faz parte da estratégia tentar convencer as agências internacionais de classificação de risco de que, passado o impeachment, a estabilidade política no País retornará, na tentativa de recuperar notas perdidas na avaliação das agências de classificação de risco.

Além da viagem à China, há pelo menos outras cinco agendas sendo preparadas no Palácio do Planalto com o objetivo de retomar a confiança externa. Dez dias depois de voltar do país asiático, Temer discursará na Assembleia Geral da ONU, em Nova York. Em outubro, planeja ir ao encontro dos Brics, na Índia, e à cúpula Iberoamericana, na Colômbia. Há visitas sendo organizadas para Argentina e Paraguai, sem data definida.

Temer deve fazer as viagens acompanhado de vários ministros, entre eles, o da Fazenda, Henrique Meirelles, a quem caberá a missão de convencer o mercado internacional e os investidores de que o País está comprometido com a agenda econômica de ajustes e reformas.

Interlocutores de Temer reconhecem que a investida é fundamental para que o governo efetivo possa contar com o apoio da classe empresarial, pois admitem que, se a economia não der sinais efetivos de melhora, a “trégua” dada até agora ao governo tende a acabar rapidamente.

Na semana passada, em evento no Rio de Janeiro, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, comparou o roteiro internacional de Temer ao trabalho de um caixeiro-viajante. “Temer vai levar uma mala de mascate para a China para mostrar que o Brasil é um mar de oportunidades.” O ministro destacou mudanças que começam a ser aprovadas no Congresso, como a lei das agências reguladoras, para defender a tese de que o País se tornará atrativo aos investidores estrangeiros. “Necessitamos das parcerias para gerar empregos. Apostamos muito na viagem à China, aos EUA e à Índia, grandes mercados potenciais para o Brasil.”

CHINA

Antes do encontro do G-20, na China, Temer pretende participar de um seminário organizado pelo governo brasileiro. A data do encontro, que reunirá empresários e investidores, deve ser dia 2 ou 3 de setembro, a depender do fim do impeachment e do embarque de Temer à Ásia. A ideia, com base no atual calendário do impeachment, é que ele viaje dia 31 de agosto. Além dos compromissos oficiais, o governo pretende marcar encontros bilaterais.

 

Com informações do Estadão Conteúdo.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.