Rio Branco, Acre, 24 de novembro de 2020

Julgamento do processo de Dilma inicia no Senado

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

O Senado Federal inicia nesta quinta (25) o julgamento do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff. A abertura da sessão está prevista para às 9h sob o comando do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, que também preside o processo de impedimento da petista. Segundo o G1, até o momento, 29 senadores se inscreveram para fazer perguntas à primeira testemunha, o procurador do TCU Júlio Marcelo Oliveira.

Para fazer perguntas ao auditor fiscal do TCU Antônio D’ávila, a segunda testemunha do julgamento, 24 senadores estão inscritos.

São 27 os senadores que já se inscreveram para questionar a terceira testemunha do julgamento, o economista Luiz Gonzaga Belluzzo.

Na lista da quarta testemunha, o professor Geraldo Prado, até o momento, 23 senadores se inscreveram para fazer perguntas.

A estratégia da base aliada de Temer é limitar perguntas para acelerar julgamento. Segundo a TV Senado, serão ouvidas 4 testemunhas hoje, e as últimas quatro na sexta-feira (26). As testemunhas devem ser as mesmas já ouvidas na Comissão especial, com a exceção de um especialista, diz o senador Antonio Anastasia.

Cada senador tem 6 minutos para fazer perguntas e a testemunha tem outros 6 minutos para responder ao parlamentar. Dilma Rousseff deve falar em plenário na segunda-feira (29).

O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) fala sobre o jantar ocorrido na noite de quarta-feira (24), divulgado pela imprensa, em que Renan Calheiros teria afirmado ao presidente interino, Michel Temer, que o desfecho do processo seria antecipado. Na sequência, Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) acusa o petista de querer, mais uma vez, “procrastinar” o processo. Para Cunha Lima, não há problema no encontro entre Temer e Renan, uma vez que são “chefes de dois poderes” da República.

Lewandowski afirma que não há prazo para terminar o processo de impeachment. Janaina Paschoal, advogada da acusação, garante que a denúncia não se alicerçou na rejeição das contas de Dilma.

Ainda sobre as questões de ordem, o senador Magno Malta (PR-ES) diz que “se gravação valesse alguma coisa, [o ex-ministro] Aloizio Mercadante deveria estar preso”. Ele acusa os senadores oposicionistas de terem feito “media training” com Dilma.

 

Com informações de Notícias ao Minuto.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.