Rio Branco, Acre, 23 de novembro de 2020

Homem é condenado a pena de sete anos pelo estupro da namorada

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

O Juízo da Vara de Proteção à Mulher da Comarca de Rio Branco acatou a denúncia oferecida pelo Ministério Público do Acre nos autos do Processo n° 0800241-12.2015.8.01.0001 para condenar o acusado J.R.R., pelo crime de estupro contra a vítima S. da S. A, à época dos fatos sua namorada. A mesma decisão extingue a punibilidade do denunciado quanto ao crime de ameaça devido à ocorrência da prescrição da pretensão punitiva. A sentença foi publicada na edição n° 5.715 do Diário da Justiça Eletrônico (DJE).

Denunciou o MPAC que, a vítima foi levada para um apartamento onde foi estuprada pelo acusado e um amigo deste. Para se calar e não levar o caso ao conhecimento da polícia teria sido foi ameaçada. A juíza de Direito Shirlei Hage, titular da unidade judiciária, determinou a pena de sete anos e oito meses de reclusão em regime inicial semiaberto, também danos morais no importe de R$ 4.400.

De acordo com a magistrada, a violência doméstica foi um dos agravantes do crime. “Houve intenso dolo na conduta, que além de ser praticado contra a namorada, que confiava na proteção do acusado, o qual, sem motivo justificável, levou a vítima para ser violentada por ele e um amigo, demonstrando total desrespeito ao Estado e desprezo pela vítima”, asseverou.

Entenda o caso

A requerente declarou em juízo que foi levada a um bar, pelo namorado e que lá estava um amigo do acusado. Após ingerirem bebida alcoólica, a vítima acreditava que iria ser levada para casa, mas, no entanto, foi conduzida a um apartamento de um quarteirão, localizado no Bairro São Francisco, e, mediante violência física foi constrangida à conjunção carnal com seu namorado e um terceiro.

Conforme inquérito policial, as ameaças ocorreram no mesmo contexto, na qual o acusado preocupado com os barulhos manifestados pela mulher durante o crime e por medo de ser denunciado calculou matar a vítima, mas ponderou sobre o segundo o crime confiando na efetividade das ameaças.

Em contestação, o acusado respondeu que as acusações não refletiam a verdade real dos fatos, por isso pugnou pela absolvição e, de forma alternada, a aplicação da pena mínima.

Decisão

Preliminarmente, a juíza de Direito Shirlei Hage esclareceu que no que se refere ao crime de ameaça, foi verificado que a denúncia ocorreu quando já havia transcorrido o prazo prescricional, posto que os fatos imputados ao indiciado foram praticados em 2011 e o prazo é de três anos.

Quanto ao crime de estupro, foi verificado que a ocorrência dos fatos é incontroversa. “A vítima demonstrou-se muito nervosa durante audiência, chorou desesperadamente, mesmo após cinco anos da ocorrência dos fatos, precisou ser ouvida sem a presença do acusado”, enumerou.

Assim, a decisão afirmou a materialidade dos crimes por meio do Boletim de Ocorrência, termo de declarações e, em especial, pelos dados clínicos no prontuário de atendimento da vítima, que se coadunam com a versão apresentada pela ofendida tanto em sede policial, quanto em Juízo. A autoria dos delitos recaiu sobre a pessoa do acusado J. R. R., conforme declarações contidas nos autos, prestadas pela vítima, as quais foram transcritas e apreciadas.

“Analisando os autos, verifico que a vítima foi coagida, sendo segurada pelo amigo do acusado, bem com pelo próprio acusado para que o amigo também praticasse o crime, mantendo a vítima numa situação em que ambos praticassem conjunção carnal”, frisou Hage.

Ao realizar a dosimetria, a magistrada evidenciou que “as consequências do crime são extremamente relevantes, em razão dos traumas psicológicos causados à vítima, pois causaram dor e vergonha à vítima e causam até hoje, o que ficou evidente no depoimento da vítima, mesmo passados cinco anos. Além do abalo à liberdade individual, à paz de espírito e tranquilidade pessoal da vítima, como da segurança da ordem jurídica”.

A sentença concedeu ao réu o direito de recorrer em liberdade. Por fim, a juíza estabeleceu dano moral a partir da comprovação que consequente às agressões físicas perpetradas em desfavor da autora, “esta amargou danos psicológicos em decorrência de tais fatos, conforme evidencia o laudo psicológico acostado aos autos”, prolatou.

A decisão esclareceu o dever de indenizar. “Há comprovação de determinação judicial de afastamento do réu do lar em decorrência da violência doméstica por ele praticada. Neste sentido, evidenciado o abalo psicológico vivenciado pela demandante”.

Dessa forma, dada a conduta extremamente reprovável do acusado em um ato de covardia contra a mulher, a indenização em favor da vítima foi estipulada em R$ 4.400, nos termos do artigo 387, IV, do Código de Processo Penal, que faculto parcelar em quatro vezes.

 

Com informações do TJAC.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.