Rio Branco, Acre, 27 de novembro de 2020

Lula estava sendo chantageado em Santo André, diz Marcos Valério

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Condenado no mensalão, o publicitário Marcos Valério, que cumpre pena numa penitenciária em Minas Gerais, afirmou em depoimento ao juiz Sergio Moro nesta segunda (12) que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva estava sendo “chantageado” pelo empresário de Santo André (SP) Ronan Maria Pinto, em 2004.

Valério, porém, não esclareceu o motivo da chantagem.

“Eu gostaria de não responder essa pergunta, porque o que eu fiquei sabendo é muito grave e o senhor não vai poder garantir a minha vida”, afirmou, na audiência. “É um assunto muito grave e eu não quero correr riscos. Eu estou preso numa penitenciária.”

O publicitário e outras oito pessoas são réus numa ação da Operação Lava Jato, que trata de um empréstimo fraudulento feito no banco Schahin, cujos recursos foram repassados a Pinto, dono do jornal “Diário do Grande ABC”.

Os investigadores do caso suspeitam que o motivo da extorsão tenha sido a compra do silêncio sobre o caso Celso Daniel, prefeito petista de Santo André (SP) assassinado em 2002. Mas essa suspeita não foi incluída na denúncia.

Além de Lula, os ex-ministros José Dirceu e Gilberto Carvalho, ambos do PT, também estariam sendo chantageados, segundo afirmou Valério.

DE JOGADOR A VERDADEIRO

Valério, que falou por cerca de uma hora, ainda disse que passou “de mentiroso e jogador” a “verdadeiro” -já que, em 2012, ele prestou depoimento ao Ministério Público Federal sobre o empréstimo no banco Schahin.

“Eu era considerado um mentiroso, um jogador, que queria atrapalhar o processo. Aí [agora] vieram dizer: tudo o que você falou era verdade. Eu me tornei um cara verdadeiro.”

As agências publicitárias de Valério eram usadas para fazer empréstimos fraudulentos e repassar o dinheiro ao PT e seus aliados, conforme mostrou a investigação do mensalão.

Por causa disso, segundo afirmou o publicitário, o então secretário-geral do PT, Silvio Pereira, pediu que ele repassasse R$ 6 milhões a Ronan Maria Pinto, que estaria “chantageando o presidente”.

Apesar de ter topado inicialmente, Valério disse que acabou não intermediando o pagamento porque “não queria ligação” com o caso.

“Eu comecei a sondar quem era Ronan Maria Pinto. E o que eu fiquei sabendo não me agradou”, afirmou. “Eu disse [a Silvio Pereira]: você é maluco. Eu não vou fazer isso, não vou transferir, não quero ligação com isso, e usei o termo: me inclua fora disso.”

Por causa disso, segundo a investigação, a operação foi feita via banco Schahin, com um empréstimo tomado em nome do pecuarista José Carlos Bumlai, amigo de Lula.

Tanto Pereira quanto o então tesoureiro do PT, Delúbio Soares (que é réu na mesma ação), negam a operação e dizem não ter qualquer relação com o empréstimo no banco Schahin.

 

Com informações da Folhapress.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.