Rio Branco, Acre, 20 de janeiro de 2021

Todo mundo ama a Champions, menos o torcedor do Manchester City

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

O hino, a atmosfera e a luta pelo taça mais importante da Europa animam o torcedor de qualquer time que participe da Uefa Champions League, certo? Não é bem assim…

Os fãs do Manchester City não parecem tão ligados à competição. Prova disso é que o triunfo sobre o Borussia Mönchengladbach por 4 a 0 nesta quarta-feira, pela estreia na fase de grupos do torneio, foi acompanhado por apenas 30.217 torcedores.

O número é baixíssimo para um time que teve a média de público de 54.041 fãs na última edição do Campeonato Inglês. Porém, vale ressaltar que a partida estava inicialmente marcada para terça e foi adiada por causa de um temporal. Além disso, a capacidade do estádio de 55 mil é reduzida para 53 mil em competições da Uefa.

De qualquer forma, isso não impede que exista uma clara diferença na presença de torcedores nas duas competições. Na temporada passada, por exemplo, 45.595 fãs foram ao Etihad Stadium para ver o duelo com o Sevilla, multicampeão da Liga Europa, pela fase de grupos da Champions.

No último jogo dos Citizens em casa, o time de Guardiola bateu o West Ham por 2 a 1 sob os olhares de 54.008 pessoas.

E o que justificaria essa queda de público justamente na badalada Champions League?

A aversão do torcida do City à Uefa é a resposta. Ela começou a vaiar o hino da competição, que é tocado antes das partidas, depois que um grupo de torcedores do CSKA Moscou conseguiu acompanhar um jogo contra o time inglês em outubro de 2014, apesar de os russos terem sido ordenados a atuar de portões fechados por conta de ofensas racistas. As vaias, então, se tornaram um gesto habitual nos jogos da equipe inglesa ao longo da última edição da Champions

Sanções do Fair Play Financeiro por parte da Uefa também colocaram os fãs do City contra a entidade que rege o futebol europeu. Desde então, a rejeição contra a Uefa não acabou.

“Eu não estava aqui para o que aconteceu, mas eles devem esquecer o que aconteceu no passado. Temos qe estar muito orgulhosos por jogar esta competição. Vou trabalhar até o último momento para convencer as pessoas a vir aqui e se juntar a nós nos jogos da Champions League. Nossos jogadores merecem o estádio completamente cheio e tomara que que isso aconteça contra o Barcelona e Celtic”, afirmou o técnico Pep Guardiola, antes da partida diante do Mönchengladbach.

Os torcedores do Manchester City agora terão um tempo para pensar sobre o que treinador falou, já que a equipe visitará o Celtic e Barça fora de casa antes de retornar ao seu terreno para uma partida do torneio continental. O próximo jogo no Etihad Stadium pela Champions será em 1º de novembro contra os catalães.

 

Com informações de Espn.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.