Rio Branco, Acre, 25 de julho de 2021

Estudantes da UFAC divulgam Nota de Repúdio contra professora e policial federal que invadiu sala de aula

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Uma simples discussão de trânsito envolvendo o estudante  de engenharia florestal Pedro Pereira, de 21 anos, e a professora da UFAC Angélica Micoanski Thomazine transformou-se em um episódio mais sério depois que o policial federal, esposo da professora, teria invadido a instituição e retirado o estudante à força de sua sala para conduzi-lo à delegacia.

O motivo teria sido a exposição em redes sociais da foto da professora pelo estudante após o incidente, pela qual poderá responder criminalmente. A ação do policial, contudo apresenta indícios de abuso de autoridade.

Após a repercussão do assunto, estudantes da UFAC do Campus de Rio Branco emitiram Nota de Repúdio e cobram providências judiciais por parte da direção da UFAC.

Leia a Nota abaixo:

Nós, discentes da Universidade Federal do Acre, vimos, por meio desta, repudiar veementemente a Professora Angélica Micoanski Thomazine, professora de inglês lotada no Campus Floresta, pelo suposto assédio moral praticado por ela e seu marido contra o discente Pedro Pereira, na tarde do dia 22/05/2017, em Cruzeiro do Sul.

Consideramos ainda descabida, desnecessária e ilegal a invasão ao Campus Floresta por parte do esposo da professora e policial federal, para de forma ilegal retirar um aluno da nossa Universidade sem qualquer intimação ou mandado judicial.

Nossa Universidade tem uma trajetória de respeito ao Estado democrático de direito, a legalidade das ações que são realizadas no âmbito da Instituição, essa possível violação de direito deve ser combatida, rechaçada e merece a investigação e punição devida, temos instâncias dentro da Universidade para resolver qualquer tipo de problema entre professores e alunos, a interferência externa ilegal reforça a necessidade de sindicância e a punição devida aos excessos possivelmente praticados.

Qualquer violação aos princípios democráticos, aos direitos de discentes, docentes e técnicos como presenciados no caso aqui rechaçado, é um ataque à própria democracia, ao Estado de Direito e a nossa Universidade. Reafirmados nossa solidariedade ao aluno Pedro Pereira, por fim e não menos importante, seguiremos vigilantes para que nenhum direito seja cerceado, nenhum abuso praticado e nenhum aluno assediado!

Subescrevem essa nota:

Carlos Gomes – Economia – Campus Rio Branco
Luiz Henrique – Direito – Campus Floresta
Max Teodoro – Eng. Agronômica – Campus Rio Branco
Jardel Cunha – Sistemas de Informação – Campus Rio Branco
Lucas Bolzoni – Ciências Sociais – Campus Rio Branco
Michelle Andressa Silva – Ciências Sociais – Campus Rio Branco
Samuel Alves – Sistemas de Informação – Campus Rio Branco
Cairo Avner – Letras Portugues/Campus Rio Branco

ALEAC

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.