Rio Branco, Acre, 25 de outubro de 2020

Preços abusivos, serviços ruins. Resta ao Cruzeirense o ‘Muro das Lamentações’

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Fim de semana. Pelo ‘facebook’ já mandam avisar: ‘-Quem tiver seus esquemas, combine logo. Daqui a pouco cai o sinal’. A quase certeza de que o sinal de celular e internet vá falhar já faz parte do ‘folclore’ da cidade, juntamente com os apagões, o alto preço das passagens aéreas e do combustível e o isolamento da região, renovado agora com a perda de trafegabilidade na BR 364.

PROCON, pra quê?

A falta de vontade política na criação de um PROCON na cidade já daria uma capítulo inteiro na história de Cruzeiro do Sul. Há pelo menos 17 anos, ouve-se falar na criação de um órgão de defesa do consumidor. Já foi definido que a competência para criação do órgão é de responsabilidade municipal, mas até hoje, nenhum dos prefeitos que passaram pela administração efetivaram a criação do PROCON.

Passagens aéreas

Com a BR ruim, aumenta a demanda por passagens aéreas, e a única empresa que faz o trecho para a capital aproveita para ‘esfolar’ quem precisa se deslocar. Um exemplo clássico de ‘lei de mercado’ que o cruzeirense sente na pele. Há ainda o risco de que o avião não pouse, se as condições meteorológicas não permitirem.

Gasolina

Contudo, em alguns setores é a falta de concorrência que impede a população de se beneficiar das mesmas ‘leis de mercado’. São dezenas de postos de gasolina espalhados pela cidade, mas os preços têm pouca variação. Enquanto o preço da gasolina cai em todo país, o cruzeirense continua pagando os mesmos preços de antes da queda. Em Rio Branco, a gasolina que já chegou a custar R$4,17/litro hoje é encontrada em até R$3,68/litro, enquanto o cruzeirense continua pagando cerca de R$4,70. Apesar da obviedade que é a atuação de um cartel definindo os preços na cidade, PF e Justiça não foram capazes de prová-lo.

Bancos sem dinheiro

Outro exemplo de um péssimo serviço é o que é ‘prestado’ pelas agências bancárias da cidade. São poucas as agências de auto-atendimento (o que já foi pior, é verdade), o que causa imensas filas nos dias de pagamento dos funcionalismos do estado e município. Para piorar, os caixas não te, dado conta e o dinheiro acaba antes de que todos tenham sacado seus vencimentos. Com isso, Cruzeiro do Sul e região vivem o paradoxo de faltar dinheiro circulando no comércio, em pleno fim de semana de pagamento.

Privatiza que melhora

Resta dúvida se o PROCON daria conta das reclamações. O Código de Defesa do Consumidor prevê regulações normalmente pouco eficazes contra o departamento jurídico das grandes corporações.

Em todo país, as prestadoras de serviço de telefonia e fornecedoras e energia elétrica estão entre as campeãs de reclamações. Um dado importante principalmente para quem acredita que privatização é resposta para tudo e que as leis de mercado por si só seriam suficientes para promover a melhora serviços. Ainda que a livre concorrência ajude sim, a promover melhore serviços, setores estratégicos são dominados por um número reduzido de mega-empresas, o que anula o efeito da concorrência.

Talvez isso sirva de consolo ao juruaense: saber que o que ocorre no microcosmo de nossa região é apenas uma amostra de como funcionam as coisas no resto do mundo.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.