Rio Branco, Acre, 24 de outubro de 2020

Família de homem linchado em delegacia após matar mãe e filha deve ser indenizada pelo Estado

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Estado do Acre foi condenado a pagar R$ 10 mil de indenização por danos morais para a família de Lucimar Bezerra, morto a facadas dentro da delegacia do Bujari em novembro de 2015, após ele ser preso pela morte de Jardineis Oliveira da Silva, de 25 anos, e a filha dela, de 6 meses. A mãe de Bezerra, de 79 anos, entrou com pedido de pensão alimentícia e indenização de R$ 400 mil. A decisão foi divulgada nesta segunda-feira (3) no Tribunal de Justiça do Acre (TJ-AC).

Na época, a família da vítima informou que Bezerra era apaixonado por Jardineis e não era correspondido. O crime aconteceu na comunidade Boa Esperança, na BR-364, quando Jardineis ia para casa dela e encontrou o vizinho.

Após matar a mulher, Bezerra abriu a barriga da vítima, retirou partes das vísceras, costurou e a jogou amarrada em pedras dentro do rio. O corpo da filha de Jardineis foi encontrado dois dias após o crime. Em depoimento, de acordo com a polícia, ele confessou a autoria das mortes.

Após ser preso, Bezerra foi levado para a delegacia do Bujari. Na manhã do dia 18 de novembro, populares invadiram o local e o mataram a facadas. O delegado responsável pelo caso na época, João Augusto, classificou a tranferência do preso de Rio Branco para o interior como “imprudente”.

O advogado da família de Bezerra, Fábio Santos de Santana, contou que vai recorrer da decisão porque o valor não corresponde às necessidades da idosa. A mulher alegou que é trabalhadora braçal e o filho ajudava nos trabalhos diários da lavoura.

“A mãe é uma senhora idosa, é carente, mora na comunidade. O juiz deu R$ 10 mil de indenização e não deu a pensão do Estado, que já manifestou que vai recorrer. Vamos recorrer também porque achamos o valor baixo”, explicou.

Ainda segundo o advogado, o Estado recorreu da decisão para baixar o valor da indenização. Santana alegou que houve falha da segurança ao transferir Bezerra para o interior, uma vez que o crime aconteceu nas mediações da capital acreana.

“Lá [delegacia] não tinha condições e pouco policiamento. Sabemos que o crime que ele comentou foi grave, não estamos discutido o que fez, estamos discutindo a responsabilidade do Estado nesse caso. O Estado recorreu pedindo para baixar o valor para R$ 2 mil e também vamos recorrer para aumentar. Já é uma vitória o magistrado ter reconhecido a falha do estado contra a segurança dele”, argumentou.

A Procuradoria Geral do Estado disse que está analisando a decisão judicial “para avaliar se será necessária alguma medida processual no caso”. Com informações do Portal G1.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.