Rio Branco, Acre, 28 de outubro de 2020

Zé Ricardo revela que quase pediu demissão e defende Márcio Araújo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

O momento de maior pressão passou, mas Zé Ricardo ainda sente os efeitos da eliminação na Libertadores e da cobrança por títulos no Flamengo. O comandante revelou que quase pediu demissão após a derrota para o Sport por 2 a 0, dia 7 de junho, pelo Campeonato Brasileiro. Depois, o time ainda empatou com o Avaí por 1 a 1, o que causou uma absoluta turbulência no departamento de futebol.

“Eu não sei se cheguei ao ponto 100, mas cheguei perto. Porque a gente estava fazendo um esforço grande para sair do momento ruim e, mesmo assim, estava com dificuldade. E comecei a pensar se era culpa minha. Mas o pedido de demissão é uma derrota pessoal muito grande. Eu me coloquei numa situação de meu filho me perguntar por que eu desisti. O que eu iria falar para ele, quando ele crescesse, para explicar? Refleti com minha esposa e não tomei a decisão. Confesso que a pressão foi muito grande, mas entendi que era uma questão de provar a mim mesmo que era capaz de seguir”, disse em entrevista ao jornal “O Globo”.

“A derrota para o Sport teve uma repercussão muito ruim, uma insatisfação da torcida. E eu respeito muito a torcida. Talvez a palavra certa nem fosse pedir demissão, seria fazer um acordo com a diretoria para encerrar o trabalho. O clube me deu respaldo, a direção sempre foi honesta. A maior cobrança era minha. Eu estava tentando arrumar forças para continuar”, completou.

Desde a eliminação na Libertadores, Zé Ricardo passou a ser questionado no clube, principalmente por integrantes da administração e conselheiros. A pressão foi amenizada pelos últimos resultados. Na mesma entrevista, o comandante saiu mais uma vez em defesa do contestado Márcio Araújo por conta das críticas de que o volante prejudica a saída de bola.

“Ele é importantíssimo para o grupo, um modelo de atleta e tem evoluído. Contra o Santos, foi exemplar ao lado do Cuéllar. Temos cobrado para que não faça só passes curtos. Ele tem uma leitura de jogo após a perda de bola do time que poucos têm. Temos jogadores talentosíssimos como Guerrero e Diego, com certa dificuldade para marcar e o Márcio compensa isso de forma muito eficiente. Primeiro, conversei com ele para ousar, arriscar. Naquela posição é necessário tentar mais. E durante três ou quatro meses ele fez complementos de treinos, com visão mais profunda do jogo, infiltração”, encerrou.

Nesta sexta-feira (30), o meia Everton concedeu coletiva no CT Ninho do Urubu e falou sobre o caso. Ele observou o técnico Zé Ricardo abalado no período.

“É difícil falar sobre isso, porque foi um momento triste. Passamos dez dias ruins e víamos que ele estava abalado. Mas é um grande treinador, a página já virou agora. Esperamos que ele dê a volta por cima”. Com informações da Folhapress.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.