Após briga, índios prometem derrubar torres de energia e Acre pode ficar às escuras; entenda

Uma briga envolvendo índios da etnia Kaxarari, originários da região da Ponta do Abunã, distrito de Porto Velho, e o governador do estado de Rondônia, Confúcio Moura (PMDB), poderá comprometer seriamente o fornecimento de energia elétrica ao estado do Acre.

De acordo com a comunidade indígena, que se reuniu nesta última quinta-feira (6) para dar um ultimato ao governador rondoniense, eles vêm sendo enganados por promessas de que uma estrada seria aberta até a comunidade, além da instalação da instalação de sistema de energia elétrica na área.

De acordo com o integrante do conselho Kaxarari, o indígena Homérico Tabarrinha, o governo de Rondônia tem até o próximo dia 20 de julho para dar um posicionamento definitivo aos Kaxaxaris, caso contrário eles passarão a derrubar as torres do linhão que corta a terra indígena.

“A comunidade fica esperando o governo ajudar, não tem estrada, não tem energia, a vida inteira nesse sofrimento, no dia da eleição é tanta gente pedindo voto da gente e só mentido. Desde que os portugueses vieram já estávamos aqui, então porque tanta mentira. (…) já estamos programados no dia 20 de julho se não chegar nada de notícia melhor vamos derrubar a torre de energia (…) o governador é rico ele pode, nós somos pobres”, concluiu homérico.

Essas torres integram o sistema de distribuição de energia da Eletrobras e conduzem a energia para o Acre. Percebendo o clima de tensão instaurado na região, equipes da Polícia Rodoviária Federal – PRF, já estão de prontidão para resguardar qualquer intervenção dos indígenas à BR-364.

O governo de Rondônia ainda não se manifestou e a comunidade acreana resta aguardar quais serão as medidas tomadas para tentar evitar um prejuízo incalculável para os acreanos. As informações são do Acreaovivo.