Rio Branco, Acre, 3 de agosto de 2021

Acre lembra o Dia Mundial do Coração

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Em 29 de setembro, comemora-se o Dia Mundial do Coração. Na data, especialistas alertam para os cuidados com a saúde de um dos principais órgãos do corpo e fazem alerta ao crescente número de vítimas de problemas cardiovasculares. Na primeira reportagem sobre o assunto vamos saber os fatores de risco para o infarto, com uma especialista que faz um alerta quanto ao aumento de casos de infarto no Estado.

Doenças do coração vitima 17,3 milhões de pessoas em todo mundo, todos os anos, de acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). Somente no Brasil são 300 mil.

No Acre, uma pesquisa em andamento, dirigida por cardiologistas, aponta aumento significativo no número de vítimas de infarto, e mesmo sem ser concluído o levantamento, os dados preliminares colocam os especialistas em alerta.

“A cada mês a gente vê que esse número só vem aumentando. Ontem, por exemplo, nós tivemos quatro casos de infarto, mas a fila é muito grande, tem muita gente pra fazer cateterismo, pra fazer cirurgia cardíaca e muitas vezes esses pacientes que sofrem infarto agudo do miocárdio não tem a chance de chegar no hospital com vida”, explica a cardiologista Rejane Holanda.

Segundo o último dado da Secretaria de Saúde do Estado, em 2010 mais de 600 acreanos morreram vítimas de problemas e doenças cardíacas. Na época, além do alto índice de mortes por doenças cardíacas e o infarto agudo do miocárdio, 30% a 40% de todos os pacientes do programa de Tratamento Fora de Domicilio (TFD) eram enviados a outros Estados para tratar problemas no coração.

Em 29 de setembro, comemora-se o dia mundial do coração, mas as autoridades em saúde não encontram motivos pra celebrar. Os problemas cardiovasculares ostentam há tempos a primeira posição entre as doenças que mais matam no Brasil.

A data também trabalha a conscientização para os fatores de risco. “Principalmente pra quem tem diabetes, pressão alta, colesterol alto, histórico familiar positivo, se alguém teve infarto, derrame, AVC, essa pessoa tem quer fazer check-up de 6 em 6 meses e começar bem jovem e ter mudança no estilo de vida”, salienta a médica.

Em geral, muitas pessoas ignoram os sintomas de infarto. Eles existem, e a cardiologista faz mais esse alerta. “O principal sinal é uma dor no peito que vai se irradiando pra região do pescoço, outros pacientes sentem falta de ar, tontura, esses são os principais sinais”, explica.

A incidência de pressão alta, um dos principais fatores de risco, é grande e muita gente não sabe e não busca tratamento. Cerca de 50% dos brasileiros sofrem do mal.

Por mais que os especialistas enfatizem a importância de controlar o colesterol, a hipertensão, de manter atividades físicas regulares, a maior parte dos brasileiros negligencia essas orientações que ajudam a reduzir os riscos de infarto. Mas esse é assunto para nossa próxima reportagem.

ALEAC

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.

error: Alert: O conteúdo está protegido !!