Rio Branco, Acre, 25 de julho de 2021

Decisão contra Aécio enfraquece Temer em meio à votação de denúncia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

A decisão da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) de afastar o senador Aécio Neves (PSDB-MG) do exercício de seu mandato deixou o Planalto em alerta. A Corte atendeu à medida cautelar pedida pela Procuradoria-Geral da República (PGR), no inquérito em que o tucano foi denunciado por corrupção passiva e obstrução de Justiça, com base nas delações premiadas da empresa J&F.

O tucano é um dos apoiadores de Temer dentro do PSDB e tem trabalhado para que o presidente consiga concluir o mandato à frente do país.

Quando da primeira denúncia apresentada contra o peemedebista, pela PGR, por corrupção passiva, o senador ficou ao lado do Temer, enquanto a ala do presidente interino do PSDB, Tasso Jereissati, defendeu o desembarque do governo.

Agora, depois da segunda “flechada” de Rodrigo Janot, que acusa Michel Temer de obstrução de justiça e organização criminosa, Aécio já havia entrado em cena para impedir o racha no PSDB, na hora de votar o relatório a favor ou contra a investigação, no plenário da Câmara. O objetivo é claro: conseguir barrar a ação e impedir que ela seja encaminhada ao STF, a quem cabe instaurar o processo judicial.

A reviravolta dessa terça-feira (26), acreditam fontes ouvidas em Brasília, além de agravar a tensão no Planalto, deve reacender a crise existencial tucana e acabar com o clima de estabilidade na base governista.

De acordo com a coluna Painel, da Folha de S. Paulo, a decisão contra o mineiro ocorre no momento em que deputados próximos a ele voltavam a questionar a permanência de Tasso como presidente interino do PSDB, sob o argumento de que ele não expressa o pensamento da maioria da legenda.

Ontem, durante o voto, o ministro Luiz Fux afirmou que a atitude mais elogiosa a ser tomada por Aécio, desde o início, teria sido se licenciar do mandato para provar sua inocência. “Já que ele não teve esse gesto de grandeza, nós vamos auxiliá-lo a pedir uma licença para sair do Senado Federal, para que ele possa comprovar à sociedade a sua ausência de culpa”, disse.

Votaram pelo afastamento, além de Fux, os ministros Luís Roberto Barroso e Rosa Weber, ficando vencidos os ministros Alexandre de Moraes e Marco Aurélio Mello. Pelo mesmo placar, foi determinado que Aécio não pode se ausentar de casa à noite, deve entregar seu passaporte e não pode se comunicar com outros investigados no mesmo caso, entre eles sua irmã Andréa Neves.

ALEAC

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.