Rio Branco, Acre, 3 de agosto de 2021

Preço do etanol recua em vários Estados mas segue alto no Acre

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Os preços do etanol hidratado nos postos brasileiros recuaram em 14 Estados e no Distrito Federal na semana passada, segundo levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Outras dez unidades da federação registraram alta nos preços. A ANP não divulgou os valores nos postos do Amapá e em Roraima, sem divulgação na semana anterior, não houve base para comparação.

Em São Paulo, principal Estado produtor e consumidor, a cotação média do hidratado apresentou leve recuo de 0,04% de R$ 2,443 pra R$ 2,442 o litro. No período de um mês, os preços do combustível subiram 1,50% nos postos paulistas. A maior baixa no preço do biocombustível na semana passada, de 3,43%, foi em Mato Grosso. A maior alta semanal, de 1,58%, ocorreu na Bahia. Na média dos postos brasileiros pesquisados pela ANP, houve recuo de 0,30% no preço do etanol na semana passada sobre a anterior.

No período de um mês o cenário ainda é inverso e os preços do etanol subiram em 15 Estados e no Distrito Federal, com destaque para Tocantins, com alta de 4,34% e Alagoas, com aumento de 3,41%. Os maiores recuos mensais foram em Roraima, de 5,56%, e Goiás, de 5,55%.

Na média brasileira, o preço do etanol nos postos brasileiros pesquisados pela ANP acumulou aumento de 0,42% na comparação mensal. No Brasil, o preço mínimo registrado na semana para o etanol em um posto foi de R$ 1,939 o litro, em São Paulo, e o máximo individual foi de R$ 4,25 o litro, no Rio Grande do Sul. O menor preço médio estadual foi de R$ 2,362 o litro, em Mato Grosso, e o maior preço médio ocorreu no Acre, de R$ 3,639 o litro.

Competitividade

Pela quarta semana seguida, os valores médios do etanol hidratado permaneceram competitivos sobre os da gasolina em São Paulo, Mato Grosso, Goiás e Minas Gerais, segundo dados da ANP. O levantamento considera que o combustível de cana, por ter menor poder calorífico, tenha um preço limite de 70% do derivado de petróleo nos postos para ser considerado vantajoso.

ALEAC

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.

error: Alert: O conteúdo está protegido !!