Rio Branco, Acre, 28 de julho de 2021

Presidente do TJ elogia encontro e defende ação do judiciário

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

 

 

O Poder Judiciário tem uma das missões mais importantes no combate ao crime organizado e à violência em geral, que é ordenar as prisões e, após o crime ocorrido, julgar os suspeitos. E, nunca é demais lembrar, os magistrados cumprem o rito fundamentado na lei. Mandar prender, em última instância, é uma determinação da Justiça.
No entanto, há uma dissocia- ção entre o que exige a lei e o que percebe a sociedade. Há um descompasso. O Acre tem sido destaque nacional no que se refere ao número (proporcional) de prisões realizadas pelas polícias Civil e Militar. Mais do que em qualquer lugar do país, no Acre, a máxima “a polícia prende e a Justiça solta” é uma verdade. É um fato.

Presidente do TJ, Denise Bonfim, rebate senso comum sobre papel do Judiciário
Às vésperas de sediar um encontro histórico sobre Segurança Pública e Narcotráfico, articulado pelo Governo do Estado, a presidente do Tribunal de Justiça, Denise Bonfim, faz uma reflexão sobre o trabalho do Judiciário, as consequências da ausência de uma legislação atualizada e as responsabilidades do Executivo no que se refere à aplicação da política de Segurança.
Polícia prende e o Judiciário solta
Denise Bonfim: Essas acusações são, a um só tempo, descabidas e infundadas. A começar pelo papel do Poder Judiciário, desconhecido de boa parte da população, que é a aplicação das leis. Ou seja, quem determina as prisões, quem manda prender, na verdade, é a Justiça. Além disso, por trás de todas as operações policiais resultantes em prisões, e também na recuperação de bens, de recursos públicos desviados etc., há ordem de magistrados para a sua execução. Não fosse a atuação do Judiciário, não haveria prisões nem punição aos criminosos.
Eficácia dos julgamentos
Isso já está sendo feito por meio do trabalho de magistrados e servidores, que com afinco têm dado uma resposta à sociedade. Basta dizer que a pauta da Câmara Criminal desta semana teve mais de 100 processos incluídos e julgados em uma única sessão. A prestação jurisdicional, no entanto, é algo que pode ser constantemente aperfeiçoado, mas estamos conscientes disso, atentos e focados para proporcionar serviços mais eficientes e céleres à população. No entanto, para melhorar esse cenário situacional, pode haver mudanças e melhorias nas leis processuais penais, o que depende e é de responsabilidade do Poder Legislativo.
Lei x Combate à Violência
A tarefa de combater a violência e a função de Segurança Pú- blica são atividades e atribuições constitucionalmente do Poder Executivo. O Poder Judiciário, por outro lado, na perspectiva da aplicação das leis processuais e penais elaboradas pelo Legislativo, manda prender, processar e punir os infratores. Em todas as situações em que os transgressores são trazidos pelos setores e serviços de Segurança Pública, e devidamente denunciados pelo Ministério Público, são punidos com justiça pelo Poder Judiciá- rio do Acre, guardados os princípios constitucionais da ampla defesa e do contraditório. E nesse contexto, a tarefa do Judiciário é oferecer o ágil julgamento dos processos, o que já acontece em nossa Instituição. Há também um trabalho pedagógico, de reinserção social dos reeducandos, a fim de que não repitam as práticas delituosas, bem ainda projetos educativos e de conscientização para que, principalmente os jovens, não venham enveredar pelo mundo do crime.
Encontro no Acre
Trata-se de importante encontro para debater um tema que afeta a todos nós e que muito nos aflige, que é a Segurança Pública. Nesse particular, as instituições possuem papéis, responsabilidades e atribuições distintos. Mas, precisam manter entre si relações de respeito e de harmonia, e estabelecer a conjugação de esforços para lidar com a situação da violência, sobretudo em uma região fronteiriça como a nossa, que exige maior vigilância, e atuação firme para enfrentar essa problemática, que direta ou indiretamente atinge a todos nós enquanto cidadãos.

ALEAC

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.

error: Alert: O conteúdo está protegido !!