Rio Branco, Acre, 5 de agosto de 2021

Editorial: Matéria que levanta suspeita sobre secretário de saúde do governo no título, desmente a si mesma no conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Não chega a ser novidade que a lógica da internet, com suas redes sociais e ‘viralização’ tem contribuído, e muito, para a queda na qualidade do jornalismo.

A busca por ‘cliques’ e ‘likes’ que pretensamente seriam indicativos do valor de determinada publicação, tem produzido (e difundido) material de baixa qualidade, quando não propositalmente falso. Não é à toa que a palavra ‘fake news’ foi eleita a ‘palavra’ do ano pelo dicionário em língua inglesa Collins. Jornalistas e meios de comunicação mais comprometidos têm travado uma luta constante. Notícias dúbias ou mesmo falsas atendem à uma ‘lógica de mercado’ – são produtos que, em que pese sua falta de veracidade, interessam serem divulgados por satisfazerem algum dos campos políticos. É parte da chamada ‘pós-verdade’: as pessoas buscam ler apenas aquilo que corrobora com suas noções pré-concebidas.

Por tudo isso, não chega a causar estranheza que o conteúdo da matéria: Preso, empresário acusado de adulterar cilindros de oxigênio relata propina na Sesacre entregue a ‘amigo íntimo’ de Gemyl após reunião na casa do secretário, contradiga o seu título.

A matéria, publicada no site AC jornal e assinada pelo jornalista Assem Neto, traz no seu penúltimo parágrafo a informação de que o empresário, em declaração ao delegado da Polícia Federal, isentou o secretário Gemyl de responsabilidade, ou mesmo conhecimento dos acertos de propinas entre seu sócio e o publicitário Sandro Cardozo.

A reunião mencionada no título seria destinada a liberar pagamentos atrasados devidos à empresa junto ao secretário de saúde, sem relação direta com o caso da adulteração dos cilindros de oxigênio. Em tempos de leitura rápida e desatenta, leva o leitor a estabelecer relação, ou mesmo responsabilidade direta do secretário no caso.

Ninguém duvida da necessidade das investigações prosseguirem, com coletas de provas suficientes para que eventuais culpados sejam julgados, e condenados. Mas, justamente pelo peso e a gravidade das acusações – adulteração em cilindros de oxigênio, a matéria deveria primar pela precisão nas informações, algo que se perde no afã de ‘carimbar’ o primeiro escalão do governo como ‘corrupto’.

ALEAC

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.

error: Alert: O conteúdo está protegido !!