Rio Branco, Acre, 3 de agosto de 2021

Liberação do porte de arma para zona rural gera polêmica

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

A proposta que permite o porte de arma de fogo para moradores de zonas rurais aprovada, recentemente, pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado deixou a população acreana dividida. A permissão, no entanto, foi regulamentada pelo Projeto de Lei do Senado PLS 224/2017, de autoria do senador Wilder Morais (PP-GO), agora precisa do sinal verde dos parlamentares na Câmara dos Deputados. “A matéria aprovada recentemente nos dar a esperança que caminhamos para a revogação do Estatuto do Desarmamento”, declarou no dia de ontem, o advogado Valdir Perazzo.

Explicou que Lei nº 10.826/2003, em vigor, há 14 anos, não foi suficiente para deminuir a violência que campeia nas cidades brasileiras. Destaca que o poder público não tem como garantir a segurança da sociedade em decorrência do fracasso da segurança pública no país que prometia trazer a paz. Perazzo observou que essa campanha de pacificação da sociedade chegou ao parlamento e se aprovo o estatuto do desarmamento, que deixou à população mercê da própria sorte, porque os criminosos continuam fortemente armados, para comandar tráfico de droga, patrocinar os assaltos e roubos tanto na cidade, como na zona rural. “Sempre advoguei pela revogação desta legislação que não respondeu aos asseios da nossa sociedade”, lamentou.

Para o presidente da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Acre (Fetacre), Raimundo Camarú, a revogação do Estatuto é um grande equívoco. Informou que permitir que as pessoas tenham acesso a arma de fogo, os indicadores de criminalidade tende a aumentar. “Com a legislação em vigor registramos tantos assassinatos, imagine se não tivesse uma legislação proibindo o uso de arma de fogo”, indaga o lider rural.

Camaru disse que 80% dos agricultores que tiveram acesso ao porte de arma para aquisição de uma espingarda para a caça de subisistência não consegue renovar o registro. Explicou que a Polícia Federal (PF) só conta com unidades de atendimento em três municípios. “As autoridades deveriam realizar um grande mutirão pelo interior do estado, para que os seringueiros e pequenos agricultores pudesse renovar o porte de arma que tem validade por dois anos”, sugeriu o presidente da Fetacre.

Tramitação – Em contrapartida, a votação do relatório do senador acreano Sérgio Petecão (PSD-AC), obteve 11 votos favoráveis e cinco contrários, porém, se não for apresentado nenhum recurso para votação no plenário da Casa Revisora, o PLS segue diretamente à Câmara dos Deputados. A proposta estabelece algumas restrições para a licença do porte de arma, primeiro serem maiores de 21 anos, segundo documento de identificação pessoal, comprovante de moradia e certidão de antecedentes criminais. O parlamentar acreano só reduziu o prazo da idade garantido no Estatuto do Desarmamento, que estabelece a idade mínima de 25 anos para assegurar o direito do porte de arma ao caçador de subsistência.

ALEAC

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.

error: Alert: O conteúdo está protegido !!