Rio Branco, Acre, 30 de julho de 2021

Liberar verba em troca de voto é ‘ação de governo’, diz ministro

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

O ministro Carlos Marun (Secretaria de Governo) afirmou nesta terça-feira (26) que a liberação de recursos de bancos públicos em troca de apoio à reforma da Previdência não é “chantagem”, mas sim uma “ação de governo”.

Após participar de uma reunião com o presidente Michel Temer no Palácio do Planalto, Marun admitiu que está usando a liberação de dinheiro da Caixa Econômica Federal como moeda de troca para que governadores pressionem deputados a aprovar as mudanças nas regras de aposentadoria.

“Financiamentos da Caixa Econômica Federal são ações de governo, senão o governador poderia tomar esse financiamento no Bradesco [banco privado]”, disse Marun. “Não entendo que seja uma chantagem o governo atuar no sentido que um aspecto tão importante para o Brasil se torne realidade. O governo espera daqueles governadores que têm recursos e financiamentos a serem liberados uma reciprocidade no que tange à questão da Previdência”, completou.

Desde que assumiu o cargo, em 15 de dezembro, Marun tem feito levantamentos dos pedidos de empréstimo e financiamentos de bancos públicos, como a Caixa, a Estados e municípios, condicionando a assinatura dos contratos ao apoio dos governantes à nova Previdência.

Ao ser questionado sobre possíveis retaliações a quem não apoiar a proposta, Marun disse apenas que a contrapartida será levada em consideração pelo Planalto.

“Sendo uma ação de governo, o nível de apoio que o governador puder prestar à questão da reforma vai considerado”, argumentou.

Responsável pela articulação política do governo, o ministro afirmou ainda que Temer vai fazer uma reunião nesta quarta-feira (28) com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e outros parlamentares para discutir a estratégia de conquistar votos a favor da nova Previdência, cuja votação está marcada para 19 de fevereiro.

Temer já liberou cargos e emendas parlamentares, além de verba para prefeitos e governadores, e, mesmo assim, não chegou aos 308 votos necessários para aprovar a medida na Câmara.

Segundo Marun, o foco do Planalto é, mais uma vez, convencer os deputados da base que ainda resistem em votar as novas regras de aposentadoria que, na sua avaliação, pertencem a um grupo “casa vez menor”.

Um novo balanço de votos deve ser apresentado a Temer no meio de janeiro. O deputado Beto Mansur (PRB-SP), da tropa de choque do presidente, disse que iria ao Planalto ainda nesta terça para, segundo ele, “atualizar a planilha” de votação.

Os deputados resistem em aprovar a medida, considerada impopular, às vésperas de um ano eleitoral. Na tentativa de criar uma vacina a esse discurso, Marun diz que os parlamentares ligados aos governadores terão ganhos eleitorais “positivos”.

“Aqueles parlamentares ligados a esses governadores [que receberem os financiamentos], obviamente em função das ações que serão resultado desse financiamento, terão aspectos eleitorais positivos”, completou o ministro. Com informações da Folhapress.

ALEAC

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.

error: Alert: O conteúdo está protegido !!