Rio Branco, Acre, 28 de julho de 2021

Meirelles movimenta disputa pelo Planalto em 2018

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, comprou o terreno para sua futura candidatura presidencial e criticou o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, explicitando as divisões dentro da coalizão que respalda Michel Temer.

“A minha decisão [sobre a candidatura] será tomada no final de março”, declarou Meirelles, em entrevista publicada na última segunda-feira (4) pelo jornal “Folha de S. Paulo”. Ao longo da reportagem, o ministro indicou sua intenção de se candidatar e disse que é necessário haver um postulante que defenda o legado de “reformas e a política econômica” do governo peemedebista.

Meirelles é considerado um dos mentores da reforma constitucional que congelou os gastos públicos por 20 anos, aprovada em 2016, e do projeto para alterar as regras da aposentadoria, enviado ao Congresso.

Ex-presidente do BankBoston, Meirelles conta com o respaldo do mercado, mas ainda não com o da população. Segundo pesquisa do Datafolha divulgada no fim de semana, ele não ultrapassa os 2% de intenções de voto.

A reforma da Previdência é questionada em alguns pontos pelo PSDB, que deve ter Alckmin como presidente a partir do dia 9 de dezembro, data de sua convenção nacional. Na semana passada, circularam rumores de que o governador de São Paulo vai acertar com Temer o desembarque tucano do governo, tema marcado por idas e vindas nas últimas semanas.

Em sua entrevista à “Folha”, Meirelles criticou o PSDB por ser reticente em dar um apoio claro à reforma da Previdência. “Não há, pelo menos até o momento, um comprometimento do PSDB em defesa dessa série de políticas e do legado de crescimento com compromisso de continuidade”, declarou.

O ministro indicou que só será candidato se houver “percepção da população” sobre o “crescimento econômico”. O cenário de indefinição nas eleições de 2018 deve permanecer por alguns meses, já que o candidato líder nas pesquisas, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, corre o risco de ser condenado em segunda instância no “caso triplex”, o que o impossibilitaria de concorrer.

Nos cenários sem Lula, o primeiro colocado é o deputado Jair Bolsonaro (PSC), que é pré-candidato e já tem seu rosto estampado em camisetas com slogans eleitorais vendidas em cruzamentos na periferia de São Paulo.

A ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva (Rede) também anunciou sua pré-candidatura, assim como o ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT) e a deputada estadual Manuela D’Ávila (PCdoB).

Quem parece cada vez mais longe da corrida presidencial é o prefeito de São Paulo, João Doria, que esbarrou em Alckmin e é cotado para substituí-lo no Palácio dos Bandeirantes. (ANSA)

ALEAC

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.

error: Alert: O conteúdo está protegido !!