Rio Branco, Acre, 3 de agosto de 2021

Padrasto é condenado pelo estupro de vulnerável

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

O Juízo da 2ª Vara da Infância e Juventude da Comarca de Rio Branco julgou procedente a denúncia para condenar R.M.L. por estupro de vulnerável. A pena foi estabelecida em 15 anos, 11 meses e 20 dias de reclusão, em regime inicialmente fechado. A reparação para danos morais foi arbitrada em R$ 3 mil.

O homem, padrasto da vítima, praticava o crime na casa onde a família residia. A violência sexual é uma das formas de violência que são enfrentadas nos 16 Dias de Ativismo, campanha internacional que segue até o dia 3 de dezembro da qual o Tribunal de Justiça do Acre é parceiro.

O abuso causa repugnância porque a vítima era uma criança vulnerável, o ofensor prevaleceu de sua condição de padrasto para reiteradas vezes praticar o delito tipificado no artigo 217-A, caput, combinado com artigo 226, II, na forma do artigo 71, caput, ambos do Código Penal.

Entenda o caso

A prática do crime ocorreu quando a criança tinha entre sete e onze anos de idade, até ela revelar os fatos aos familiares. O padrasto praticava os atos quando estava sozinho com a enteada.

Decisão

O juiz de Direito Manoel Pedroga, titular da unida judiciária, afirmou que não existem dúvidas sobre a ocorrência do crime e autoria com base na análise processual e probatória. No relatório policial, além das declarações da ofendida, há depoimento das testemunhas, além do relatório psicológico.

Ao realizar a dosimetria, o magistrado apontou que as circunstâncias delituosas são desfavoráveis ao réu, posto que abusou da confiança em si depositada quando a genitora não estava em casa.

Desta forma, foram considerados agravantes do crime o número de reiterações delitivas, que concorreu para elevação de pena em 1/5 e o fato de ser padrasto, que elevou em ½. Por se tratar de crime hediondo a reclusão será em regime fechado e foi a vedada suspensão condicional da pena.

Contudo, o Juízo concedeu o direito de recorrer em liberdade.

ALEAC

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.

error: Alert: O conteúdo está protegido !!