Rio Branco, Acre, 3 de agosto de 2021

STJD aplica pena máxima a Rodrigo por ‘dedada’ em jogador do Vitória

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Em julgamento realizado nesta segunda-feira (4), a Ponte Preta se livrou de ter que atuar longe do Moisés Lucarelli por conta da invasão de campo no jogo da 37ª rodada da Série A, contra o Vitória. Porém, terá de jogar cinco partidas com os portões fechados -e ainda recebeu uma multa de R$ 15 mil.

A decisão é em primeira instância e a Ponte Preta deve recorrer. A punição é válida para jogos de competições organizadas pela CBF. No caso do time campineiro, Copa do Brasil e Série B.

Vale lembrar, porém, que a Ponte está com o Moisés Lucarelli interditado -após decisão do STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) na semana passada- e, por enquanto, não pode mandar jogos em sua casa. O estádio só será liberado caso “o clube comprove que o local esteja em condições de realizar os jogos com infraestrutura necessária a assegurar plena garantia e segurança para sua realização”. A liberação está condicionada a uma vistoria da CBF com laudo constatando sua regularidade.

Já o zagueiro Rodrigo pegou pena máxima. Enquadrado no artigo 258 do CBJD (Código Brasileiro de Justiça Desportiva) por “assumir qualquer conduta contrária à disciplina ou à ética desportiva”, Rodrigo foi punido com seis jogos de suspensão após dar uma ‘dedada’ no atacante Tréllez, do Vitória. O zagueiro tem vínculo com a Ponte Preta até o fim de 2018, mas deverá ter o contrato com o clube campineiro rescindido.

Notícias ao Minuto

Três representantes da Ponte Preta estiveram no julgamento realizado nesta segunda: João Felipe Artioli (advogado), Giuliano Guerreiro (diretor Jurídico) e Gustavo Vallio (diretor financeiro).

A INVASÃO

O jogo em questão havia sido encerrado aos 39min do segundo tempo por falta de segurança, depois que torcedores do time campineiro invadiram o gramado, quando o placar apontava 3 a 2 para a equipe baiana.Na súmula, o árbitro revelou que aguardou o tempo previsto para reiniciar o jogo, mas ouviu do responsável pelo policiamento que não havia condições de dar segurança ao jogo. A partida foi suspensa por falta de segurança, conflitos dentro e fora do estádio e indisciplina por parte dos torcedores, e os representantes das equipes concordaram com a decisão da arbitragem. O resultado rebaixou a Ponte.

A Ponte Preta foi enquadrada nos artigos 211 e 213 (incisos I, II e III) do CBJD e corria o risco de ser punida com a perda de até 30 mandos de campo (dez por cada inciso) -além de uma multa que poderia chegar a R$ 400 mil (R$ 100 mil pelo art.211 e R$ 100 mil por cada inciso do art.213). Com informações da Folhapress.

ALEAC

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.

error: Alert: O conteúdo está protegido !!