Rio Branco, Acre, 1 de dezembro de 2020

Marcus Alexandre deixa boa impressão e esperança na classe empresarial acreana

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

A reunião entre o candidato a governador Marcus Alexandre, da Frente Popular e a classe empresarial, ocorrida na noite de quinta-feira, na FIEAC mostrou um otimismo moderado, mas importante da categoria industrial no candidato, que foi visto como alguém que pode resolver importantes demandas do setor e representar um fio de esperança para a retomada industrial acreana. Especialmente, foi considerada muito bem-vinda a presença do assessor Gilberto Siqueira, na reunião, lembrado como alguém que, na Funtac e no Planejamento estadual manteve um dialogo produtivo com a categoria e foi capaz de encaminhar vários projetos de desenvolvimento setorial. Acompanhou Marcus Alexandre ainda, seu vice Emylson Farias e estavam presentes os maiores nomes da economia privada acreana, no setor da indústria.

Apesar da maioria dos empreendedores elogiar o empenho e a vontade pessoal do governador Tião Viana, houve críticas a aspectos da política industrial de seu governo e à falta de incentivos e entraves postos para a produção e geração de empregos.

Uma das críticas mais contundentes foi a do setor madeireiro, que afirmou que está praticamente paralisado no Acre, em função da dificuldade para vencer obstáculos de licenciamento ambiental. Chegou a se falar que a indústria está operando praticamente graças aos 5% da madeira apreendida ilegalmente no Mato Grosso e que é disponibilizada pelos órgãos ambientais para o beneficiamento no Acre. Que projetos e propostas, plantas de empresas acreanas estão sofrendo porque é quase impossível conseguir as licenças necessárias, mesmo com todo o trabalho regularizado, para fazer o corte.

A situação estaria tão crítica que o empresário Luis Helosman, do setor de criação de aves, disse que está importando de Rondônia pó de serra, sub-produto e insumo necessário para o local onde as galinhas são criadas.

Empresários que estariam prestes a se estabelecer em Feijó enfrentam problemas de  conseguir o alvará e a licença necessários para o início das atividades e há o sentimento do empresários de que são vistos injustamente como vilões ambientais, mesmo em projetos de manejo autorizados.

As críticas não se restringiram ao governo estadual, com fortes acusações contra o código florestal, e a lembrança positiva de governos passados recentes, como o de Jorge Viana, em que a indústria madeireira do Acre, mesmo com os cuidados ambientais, estava em franca expansão. Neste ponto, a presença de Gilberto Siqueira foi comemorada e os empresários disseram ver nele um avalista de que as coisas podem voltar a melhorar.

O setor de cerâmica relatou que somente agora começa uma tímida recuperação, mas que perdeu mais de 60% de poder produtivo nos últimos anos. As reclamações ambientais e trabalhistas também foram muitas e os empresários lembraram que o setor é um dos que mais empregaram mão de obra não qualificada em passado recente. Um ponto muito relatado foi a ausência de obras públicas que demandam ação do setor e a dificuldade de programas de custeio e investimento, além das taxas e impostos altos no setor, especialmente o ICMS,

Também moderadamente otimista está o setor de construção civil que reconhece que a proposta de construção de mil novas casas na Cidade do Povo pode tirar o setor da letargia em que se encontra. Mesmo assim, os empresários citaram que o quadro é muito difíicil e não se chegou sequer a se vislumbrar o entusiasmo que se via alguns anos atrás.

O empresariado reconhece que a crise pegou o setor em cheio, mas reclamam que o governo acreano teve pouca capacidade de mobilização depois da grande crise de 2015 e que a recuperação é muito lenta.

Construtores lembraram que a construção civil é um termômetro do emprego no estado e que a atividade, quando está a todo o vapo, demanda mão de obra e ajuda no controle do desemprego e, efetivamente, faz diminuir a violência.

O empresário João Albuquerque fez coro à reclamação e disse que faltam políticas públicas de incentivo á construção civil, afirmação que foi seguida pelo construtor Sérgio Nakamura. Albuquerque, que deve se candidatar como suplente de senador na chapa de Ney Amorim, citou que está sendo obrigado a assumir grandes passivos, entre eles, um de mais de R$ 5 milhões proveniente de impostos sobre a fábrica de tacos.

A situação de crise implica na informalidade crescente e foi lembrado que de estimados 40 mil empreendedores acreanos, apenas a metade emite nota fiscal e paga imposto sobre suas ações.

A complexidade da legislação de ICMS e a falta de regulamentação e efetividade do COPAI, também foram citados como problema.

A posição de Marcus Alexandre

Os setores de laticínios e confecções apresentaram seus problemas em conjunto para o candidato Marcus Alexandre. O candidato se espantou com a profundidade do problema e disse que, como prefeito, comprava a cada dois dias uma enorme quantidade de leite de laticínios de Jaru, em Rondônia e que essa despesa deveria ser feita em empresas acreanas, salientando que só a rede municipal de ensino tem mais de 25 mil estudantes a consumir o produto. O setor de confecções também pode ter um grande mercado na rede de ensino púbico, especialmente para os pequenos empresários que se multiplicam a cada dia.

O ex-prefeito da capital, Marcus Alexandre, passou a mensagem de que não é um radical quando o assunto é ambientalismo, ao contrário prega a conciliação de interesses que não afetem o setor produtivo. Disse que até o dia 13 de maio terá percorrido todos os municípios do estado e que até o fim daquele mês lança o seu plano de governo com tudo o que tem ouvido por onde passa. Diz que não será um plano para ser engavetado, ao contrário quer um projeto exequível debatido amplamente com a sociedade.

Relatou sua preocupação em fazer o estado funcionar, produzir e arrecadar mais, dizendo que é o que Acre precisa, Citou que a divida previdenciária, por exemplo drena cerca de R$ 35 milhões por mês ou quase R$ 400 milhões por ano dos cofres públicos e que, por isso, uma política de austeridade é primordial para busca de soluções. Deu o testemunho que agido assim deixou a prefeitura com um ativo de R$ 300 milhões.

O candidato quer ativar todas as fontes de receitas e de geração de riqueza. Citou, por exemplo a situação em Assis Brasil, onde a simples mudança da alfandega, do posto fronteiriço para mais perto da cidade ofereceria uma importante receita para os cidadãos. Acontece que o lado peruano de Inãpari se beneficia da proximidade fronteiriça, o que não acontece com Assis Brasil. Na recente visita do Papa à região, mais de 30 mil pessoas passaram pela fronteira, mas apenas cerca de 10 mil visitaram Assis Brasil,

O candidato disse que pretende ter um diálogo permanente com a classe produtva e que as trajetória de vida nos últimos 14 anos no Acre é a prova de seu compromisso com os interesses do estado e suas forças produtivas. Citou como exemplo de ação necessária um levantamento exaustivo do destino e das condições em que se encontram os 364 equipamentos entre tratores, caminhões e assemelhados que o governo comprou e que todas as forças sociais terão voz em seu governo, mas sob sua orientação.

O candidato a vice, Emylson farias disse que a força de Marcus Alexandre e sua disposição o motivam a cada dia e que ele participa e apoia as ideias e propostas do candidato. Gilberto Siqueira disse aos empresários que eles não se deixassem abater, que confiassem nos sinais de recuperação da economia, que pode crescer até 3% este ao e das perspectivas melhores para o ano que vem, Que volta ao Acre para ajudar nesse esforço de diálogo com as forças produtivas.

O presidente da Fieac, José Adriano Ribeiro disse que entidade compreendia e apoiava os esforços do governador Tião Viana mas que se resguardaria mais. A entidade não pretende lançar carta aberta á população, mas quer que os candidatos debatam com os empresários uma solução e as melhores opções para vencer a crise. Disse que a categoria sabe o que quer e não vai mais aceitar pressões seja de onde vierem. Considerou muito útil o encontro e o debate com o candidato Marcus Alexandre.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.