Rio Branco, Acre, 3 de março de 2021

Buritizais e quelônios são preocupações de projetos desenvolvidos por professores da UFAC, em Cruzeiro do Sul

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Por Tais Nascimento

Um dos maiores problemas das áreas urbanas é a falta de floresta para o equilíbrio do clima e manutenção da biodiversidade. A cidade de Cruzeiro do Sul é conhecida por ainda conter uma quantidade significativa de áreas verdes mesmo com o avanço da urbanização. Pensando nisso, a Engenheira Agrônoma Sonaira Silva e o Biólogo Tiago Lucena, professores doutores da Universidade Federal do Acre – campus Floresta, desenvolveram o Projeto “Áreas Verdes: eu protejo”, que visa mapear áreas verdes da cidade e comparar com as imagens de 10 anos atrás.

“Nesta região, temos uma particularidade interessante: poucas cidades possuem tantos buritizais na sua área urbana. Estas áreas são muito importantes, pois são fonte de alimento e subsídio para muitas famílias, alimento para os bichos e é um forte indicador de presença de água. Com as imagens de satélites, nós conseguimos ver cada pedacinho dessas áreas, seja de buritis ou de outras espécies, e assim conseguir identificar as mudanças que ocorreram nesse período de 2007 a 2017”, explica Sonaira.

Os buritizais são os aglomerados da palmeira do fruto buriti. É comum a invasão e construção de casas nessas áreas, o que acaba por torná-las depósito de lixos e entulhos. “Nós vamos visitar os locais identificados nas imagens para entender como está a conservação desse ambiente, se as pessoas estão cuidando bem ou se estão jogando lixo e esgoto dentro dessas áreas, pois são árvores muito sensíveis, qualquer mudança no ambiente pode causar a morte delas”, destaca a agrônoma.

Ainda segundo a professora, um dos objetivos do projeto é diagnosticar para posteriormente conscientizar esses moradores. “Depois desse diagnóstico e de entender como as pessoas estão tratando esse ambiente, vamos fazer várias campanhas de educação ambiental. A ideia é que a gente não aprenda a valorizar depois que acabem os frutos e a beleza dos buritizais. Às vezes a gente deixa de cultivar o que está no nosso quintal para consumir o que é de fora, então a ideia é mesmo cuidar agora, enquanto ainda o temos”, finaliza.

Bichos de Casco: eu protejo

Ainda no viés de proteção, o projeto “Bichos de Casco: eu protejo” visa trabalhar a conscientização da população em relação ao consumo dos famosos tracajás e jabutis que, para a maioria das pessoas são iguarias da região. O projeto iniciou no ano de 2013 no interior do município e foi idealizado pelo professor doutor Tiago Lucena, junto com um morador do Riozinho da Liberdade.

“A ideia do projeto surgiu a partir das inquietações do Sr. Branco em relação a percepção da diminuição desses bichos no ambiente. Ele começou a mudar suas atitudes e de sua família e decidiu consumir menos e respeitar os períodos de desovas, foi quando ele percebeu que depois dessa mudança a população desses quelônios voltou a aumentar. Essa mudança de atitude foi fundamental para o sucesso do projeto na localidade”, conta Lucena.

O consumo de quelônios é um fato histórico da região amazônica, motivado por diversos fatores como crendices, fins medicinais e principalmente alimentação, mas o professor salienta que é importante o equilíbrio. “Sabemos que muitas populações precisam desses animais para o consumo e subsistência, mas é necessário um equilíbrio entre o consumo e a manutenção da população naturais desses animais”, diz o professor.

O foco do projeto dessa vez está em conscientizar a população urbana que compra esses animais, alimentando o tráfico de animais silvestres. “Por mais que o consumo desses animais seja para alimentação de subsistência seja permitido por lei, no ambiente urbano, no entanto, eles são consumidos e obtidos, a maioria das vezes, por meio do tráfico que, independentemente da situação constitui um crime ambiental”, destaca Lucena.

Os dados obtidos a partir do diagnóstico de consumo na área urbana irá subsidiar ações de educação ambiental e conscientização da população. “É um trabalho que precisa ter uma atuação constante e principalmente a participação da comunidade. Nós não temos como estar em todos os lugares e nem podemos determinar como as pessoas devem fazer as coisas, as ações devem partir do diálogo de saberes entre a universidade e população. Por mais que o desafio seja enorme, tivemos sucesso em mostrar e discutir com a comunidade formas de realizar o manejo participativo desse recurso natural”, finaliza.

Para saber mais acesse as páginas do facebook:

 Laboratório de Geoprocessamento Aplicado ao Meio Ambiente (LABGAMA) –

https://www.facebook.com/labgamaufac/

 Laboratório de Biologia Animal –

https://www.facebook.com/laboratoriodebiologiaanimalufac

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.