Rio Branco, Acre, 18 de janeiro de 2021

Economia de Rondônia é de causar inveja aos acreanos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Enquanto governo rondoniense faz negócios com asiáticos na casa de muitos milhões de dólares na área de produção, no Acre o governador se limita a administrar apenas crises internas e ainda não disse a que veio

 

O governador de Rondônia, Marcos Rocha, e seu vice, José Jordan, deram para rir à toa nos últimos dias. A razão disso não é só a harmonia que reina entre os dois ou pelas ações de um Governo sem crises e que efetivamente começa a se destacar em relação a seus vizinhos, como Amazonas e Acre, cujos governos, até o momento, só têm administrado crises internas e ainda não disseram a que vieram.

Enquanto Rondônia comemora uma redução crimes, principalmente de homicídios, na casa dos 27% (é o segundo Estado do país que mais diminuiu a violência, o primeiro é o Distrito Federal, segundo o Atlas da Violência), o Acre e Amazonas se debatem em crises. O Amazonas vive o drama das matanças no seu sistema prisional e o Acre, para usar uma expressão bem ao gosto do vocabulário do governador Gladson Cameli, vive como tivesse, em vários de seus setores, principalmente na Saúde e na Economia, cabeças de burros enterradas nessas áreas.

Depois da assinatura de um Protocolo de Intenções de Investimentos assinado em 31 de maio deste ano entre o governador Marcos Rocha com empresários representantes de um grupo de investidores da Coréia do Sul, para investimentos em Rondônia que devem chegar a R$ 600 milhões na consolidação do setor de infraestrutura, unidades de processamento de grãos e minérios, com a melhoria do setor portuário e outras ações que devem gerar empregos e contribuir com o PIB (Produto Interno Bruto) do Estado, o governo rondoniense agora caiu nas graças dos chineses, interessados em comprar no Brasil 17 milhões de toneladas de soja/ano, estabelecendo contratos com validade para dez anos. A maior parte desses estoques atende à indústria esmagadora para fabricação de óleo comestível e boa parte desses números devem sair de Rondônia.

A manifestação de interesse dos chineses por importações diretas no Brasil e também no estado de Rondônia foi feita em Porto Velho na última terça-feira (25) pelo consultor chinês Jack Hon e seu sócio, Kuo Tsing Liu, ambos da CABS Brazil, numa reunião com o vice-governador José Jodan. Eles estavam acompanhados do empresário Beto Soccol.

A clientela dessa empresa é formada por estatais e semi-estatais chinesas. Nesta safra, as primeiras exportações de Mato Grosso para lá totalizaram 120 mil toneladas. Jodan disse-lhe que o governador, coronel Marcos Rocha, está bem empenhado em promover o desenvolvimento das exportações.

A tratativa inicial limitou-se à abertura de futuros negócios. É a primeira viagem de Jak Hon a Rondônia. No mês passado, a comercialização de soja do Brasil disparou, por causa da maior demanda da China, preços e prêmios nos portos pelo produto brasileiro fortalecidos e um dólar acima de R$ 4, conforme relatos do mercado.

Um volume de pouco mais de cinco milhões de toneladas de soja para exportação, o equivalente a uma centena de navios, rodou no mercado para embarques em junho, julho e agosto, informou o pesquisador Lucílio Alves, do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea).

O coordenador de comércio exterior na Superintendência Estadual de Desenvolvimento Econômico e Infraestrutura (Sedi), Anderson Fernandes, pediu informações dos empresários a respeito das importações e apresentou-lhes o potencial produtivo rondoniense.

O superintendente de Portos e Hidrovias, Amadeu Hermes Santos da Cruz, destacou que o sistema portuário rondoniense avança e deve melhorar consideravelmente até 2020, com a ampliação das exportações de madeira, milho e algodão. “Só de carne bovina para Hong Kong, exportamos US$ 60 milhões de janeiro até agora”, ele exemplificou.

No comparativo com o vizinho Mato Grosso, Rondônia leva vantagem, ele apontou. “Hoje eles cultivam dez milhões de hectares, colhendo em média de três toneladas/ha, enquanto nós alcançamos quatro t/ha”.

O mais importante, conforme analisou o superintendente, é a somatória das safras movimentadas pelo porto organizado em Porto Velho, oriundas das seguintes áreas: 1,5 milhão de ha de área cultivada no estado, 4,8 milhões de ha de áreas degradadas, totalizando 6,3 milhões de toneladas.

A esse volume somam-se 1,5 milhão de toneladas da produção do sul do Amazonas e sete milhões da Bolívia. Obras de ampliação no porto possibilitarão o aumento da capacidade de movimentação de cargas das atuais cinco milhões de toneladas de cargas para 21 milhões de toneladas até janeiro de 2020, prevê Amadeu.

O maior avanço ocorrerá com o armazenamento de grãos, cuja estrutura de silos custa R$ 1 bilhão no atual modelo. A superintendência adotou tecnologia australiana, reduzindo esse custo para R$ 200 milhões. “Miritituba (PA) já faz isso, com êxito”, ele comentou.

Para Amadeu, com novas soluções tecnológicas será possível colocar cargas de aproximadamente dez mil caminhões/dia; atualmente eles são apenas 2,5 mil nos 45 portos existentes, incluindo 17 de barranca. Trinta balsas para o transporte de grãos operam atualmente em 80% do Rio Madeira.

Com os governos bolivianos dos departamentos de Beni, Pando e Santa Cruz, o Governo de Rondônia está negociando um tratado internacional para que os rios Guaporé e Mamoré sejam concedidos à superintendência de portos e hidrovias. “Esse tratado, denominado Madeira-Mamoré, deverá substituir o Tratado de Petrópolis”, disse.

Por Tião Maia – Redação Rio Branco

 

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.