Rio Branco, Acre, 26 de outubro de 2020

Garotas fazem ‘trenzinho’ de sexo em bailes funk com até dez parceiros sem camisinha

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

O Repórter Record Investigação revelou uma situação alarmante: nas baladas de funk, adolescentes trocam várias vezes de parceiro, sem preservativo, no que eles batizaram de “tábua do sexo”. E a gravidez precoce de meninas que participam desses bailes é cada vez mais frequente.

O ritmo que bota milhares de jovens para dançar é o mesmo que leva muitos deles para o embalo das drogas. O funk, as festas e os jovens da periferia convivem com um problema que domina a maioria das comunidades brasileiras

Os maiores bailes funk de São Paulo acontecem em comunidades com índices elevados de pobreza e violência. É o caso de Heliópolis – a maior favela da cidade, com cerca de 200 mil moradores. Só no ano passado, foram registradas 511 ocorrências policiais, 25 armas foram apreendidas e 210 pessoas presas em flagrante

Uma comunidade de São Paulo, onde vivem aproximadamente 100 mil pessoas, é ainda mais violenta. Em 2015, a Secretaria de Segurança Pública registrou 1142 ocorrências policiais. 124 armas foram apreendidas e 838 pessoas presas em flagrante

Essa realidade do dia a dia da periferia está exposta nas letras do funk: “Crash, parte e fecha, maconha tá liberada. Lança tá matando, se liga é tomar uma bala. Festa open bar, ela se acaba com as amigas. Tá enchendo o top, brincando de vira-vira”

A ginecologista Albertina Duarte, responsável pelo atendimento de adolescentes, afirma que as jovens chegam a fazer sexo com mais de um parceiro na mesma noite. No consultório, as meninas descrevem os tipos de jogos sexuais que acontecem nos pancadões, quase sempre sem preservativos.

— A “tauba” é assim: as adolescentes se deitam e vão tendo uma relação com um “trenzinho”, onde passam vários meninos que vão tendo relação. Elas podem estar vendadas ou de olhos abertos

Assim que anoitece e a música toma conta das ruas, os vizinhos dos pancadões já sabem: o pesadelo vai começar. O funk é adorado pelos jovens, mas está longe de ser uma unanimidade

As punições podem diminuir o barulho, mas não resolvem outra questão: a falta de áreas de lazer para os jovens da periferia. Há dois anos, a Prefeitura de São Paulo tenta amenizar o problema organizando bailes nas comunidades, como explica Nabil Bonduki, secretário da Cultura da cidade.

— Tem sido feito em dez regiões diferentes da cidade. E a ideia é que ela possa estar presente em praticamente todas as regiões. São eventos maiores e que são feitos em parceria com organizadores, de modo que eles se comprometam a não fazer o baile funk no meio da rua. E também tem uma coisa importante: limite de horário, no máximo dez da noite.

FONTE: REPORTER RECORD

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.