Público de 10 mil pessoas é esperado na 14ª edição da Parada do Orgulho LGBT

As ruas do centro de Rio Branco devem ser tomadas por cerca de dez mil pessoas na tarde do domingo (15). Esse é público esperado na Parada do Orgulho LGBT, que, este ano, está na sua 14ª edição. O evento faz parte da 14ª Semana Acreana da Diversidade, iniciada na terça-feira (11).

A organização divulgado para a imprensa um texto com orientações a respeito do que é e do que não é legal na Parada. De acordo com Germano Marino, um dos organizadores do evento, tais orientações são necessárias para garantir a segurança e a tranquilidade durante a festa.

“Isso é necessário para que as pessoas entendam que a parada é uma manifestação alegre, colorida, mas que deve ocorrer com respeito para garantir a participação de todos, inclusive, as famílias”, afirmou Marino.

O organizador lembrou que a edição deste ano é colaborativa, ou seja, com a arrecadação de R$ 1 e de um quilo de alimentos não perecível.

“Esses alimentos devem ser doados para as instituições carentes. O dinheiro será usado para garantir os custos e o pagamento das coisas que acontecem dentro da Parada do Orgulho LGBT e da Semana da Diversidade”, explicou.

A concentração para o início da Parada ocorre a partir das 15 horas, na avenida Getúlio Vargas, em frente ao Colégio de Aplicação. O término está previsto para as 21 horas, com shows de bandas e artistas locais, no Novo Mercado Velho, às margens do rio Acre.

Veja, abaixo, o que que NÃO É LEGAL na Parada

  • Atentado ao pudor (andar nu ou seminu): a manifestação é colorida e o adereço mais confortável é uma fantasia babadeira, afinal, criatividade é a moda do momento;
  • Atos obscenos prejudicam, principalmente, a participação das crianças. Sexo é melhor no reservado – e com segurança;
  • Brigas ou agressões estão fora de moda. O evento é festivo, cultural. Conte até 10 e faça de sua participação uma luta pela paz;
  • Levar bebida alcoólica em garrafas de vidro: garrafas de cerveja e destilados podem servir de arma. Se cair e quebrar, machucarão outros participantes;
  • Drogas ilícitas não são legais para ninguém, não fazem bem à saúde e são alvos de lei de proibição, sendo que o cidadão poderá responder criminalmente por exageros ou comercialização;
  • Bebida e Direção: Existem outros meios de transporte para ir e voltar do evento. Se beber, não dirija. Sua vida é mais importante!

Veja que É LEGAL na Parada

  • Toda manifestação de paz;
  • Toda e qualquer manifestação de carinho;
  • O seu cartaz, sua faixa, seu abadá, sua fantasia, sua forma de reivindicar seus direitos;
  • A participação de seus familiares, pois ajuda na manifestação da luta no enfrentamento à discriminação;
  • O respeito aos outros participantes;
  • A sua participação, que vem ajudar com que possamos cobrar e reivindicar políticas afirmativas no enfrentamento à discriminação e LGBTfobia.

POR TIÃO VITOR, DO CONTILNET.