Dupla presa com mais de 400 Kg de entorpecente no AC é denunciada pelo MP por tráfico de drogas e associação

Cleiton de Araújo Amaral, de 40 anos, e Fábio Evantuil Pereira, de 42, foram denunciados pelo Ministério Público do Acre (MP-AC) por tráfico drogas e associação ao tráfico. A denúncia foi oferecida 24 horas após a prisão em flagrante dos suspeitos, no último dia 17, e acatada pela Justiça.

Os dois homens foram presos com 445 quilos de maconha escondidos em meio a uma carga de ração para cachorro em um caminhão. O flagrante ocorreu na BR-364, próximo à Tucandeira, na saída de Rio Branco.

A Polícia Civil recebeu uma denúncia sobre a carga no Whatsapp. Uma equipe da Delegacia de Combate ao Narcotráfico (Denarc) fez o flagrante.

Além da droga, a polícia apreendeu mais de R$ 11 mil em espécie e o caminhão que fazia o transporte. Segundo o coordenador da Denarc, delegado Karlesso Nespoli, a carga saiu de Mato Grosso do Sul com destino a Rio Branco.

A Polícia Civil destacou que essa foi a maior apreensão de drogas feita no estado.

Droga estava escondida em carga de ração — Foto: Reprodução

Denúncia

A denúncia oferecida à Justiça acreana contra os suspeitos foi feita pelo promotor Júlio César de Medeiros, da Promotoria Cumulativa de Acrelândia, interior do Acre, no último dia 19.

O promotor pediu também a alienação antecipada dos materiais dos suspeitos apreendidos e a incineração da droga.

“Houve muita celeridade por conta de todos os autores envolvidos no processo, Poder Judiciário, Polícia Civil e Ministério Público, que ofereceu a denúncia desse caso em 24 horas após o recebimento do auto de prisão em flagrante. O oferecimento da denúncia foi pela prática do artigo 33 e artigo 35, ambos da lei de drogas, e ainda com uma causa de aumento de pena prevista no artigo 40 inciso 5 da lei de drogas, uma vez que ficou comprovado o tráfico entre os diversos estados do país”, justificou o promotor Júlio César.

Pedido de soltura negado

Após a denúncia, a Justiça negou um pedido de liberdade de Cleiton de Araújo Amaral. A defesa do suspeito solicitou que ele respondesse ao processo em casa sob monitoramento eletrônico por ser diabético e ter feito uma cirurgia bariátrica.

Com isso, Amaral faz parte do grupo de risco do novo coronavírus. Porém, a juíza Kamylla Acioli Lins e Silva afirmou que o Instituto de Administração Penitenciária do Acre (Iapen-AC) tem tomado todas as medidas para evitar a proliferação do vírus dentro das unidades prisionais do estado.

“Considerando a gravidade do delito, e em razão da necessidade de que o réu fique recluso não só por não ser caso de revogação, mas para a manutenção da ordem pública,mesmo demonstrando que seja do grupo de risco, entendo não ser possível de concessão o pedido da defesa. Ademais, mesmo sendo do grupo de risco não se preocupou, não restou isolado e saiu para transporte ilegal de carga, cometendo eventual crime”, destacou na decisão.

A juíza também manteve a prisão preventiva dos dois suspeitos. Cleiton Amaral já foi condenado por tráfico de drogas em 2013 e Fábio Pereira cumpriu pena por estelionato em Presidente Prudente (SP).

Fonte: G1.